Encontro com Truffaut

O cinema está cheio de histórias, muitas vezes fascinantes, por vezes desastrosas, que nos ensinam os paradoxos da arte de escolher atores - afinal de contas, em particular em Hollywood, o trabalho de casting será um dos mais discretos, mas também mais essenciais na preparação de qualquer filme. Encontros Imediatos do Terceiro Grau envolve uma dessas histórias, com o seu quê de poético: a escolha do cineasta François Truffaut (1932-1984) para interpretar o papel de Claude Lacombe, o cientista francês que desempenha um papel essencial no "diálogo" com os extraterrestres, em particular na transmissão das cinco notas de música a que eles correspondem com contagiante entusiasmo.Segundo as notícias da época, Spielberg chegou a avaliar a hipótese de utilizar um ator francês com reconhecimento internacional: entre os nomes considerados incluíam-se Gérard Depardieu, Philippe Noiret e Jean-Louis Trintignant. O certo é que alguma empatia cinéfila terá sido decisiva na escolha de Truffaut que, além do mais, com a sua pose austera e as singularidades da sua pronúncia inglesa, desempenha lindamente o papel de Lacombe.Afinal de contas, ele estava longe de ser um desconhecido nos bastidores da produção americana. Desde logo, porque já tinha obtido três nomeações para os Óscares: duas na categoria de melhor argumento original, por Os 400 Golpes (1959) e A Noite Americana (1973); uma para melhor realizador, também com A Noite Americana. Convém não esquecer ainda que, para além do seu papel central na nova vaga francesa, Truffaut se tornara uma personalidade conhecida e reconhecida no mundo cinéfilo através do seu livro O Cinema segundo Hitchcock (cuja primeira edição surgira em 1967). Integrá-lo como ator terá sido outro empolgante encontro imediato.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.