Metade da verdade

Está a ser enganado. Provavelmente já suspeita, porque a economia e o défice não podiam resolver os seus enormes problemas em tão pouco tempo. Além disso, esta é a terceira vez que vivemos uma prosperidade ilusória, primeiro com Guterres, depois Sócrates, agora Costa. É difícil cair de novo no mesmo sem notar. Este engano não implica necessariamente mentira. O truque é só mostrar metade do quadro, contar metade da história. O desastre, que no fim sempre remata o logro, vem da parte escondida.

Comecemos pela situação orçamental, indiscutivelmente a mais espectacular. Este governo conseguiu o défice mais baixo da democracia, ao mesmo tempo que repunha rendimentos. Parece um passe de mágica, de que o senhor ministro tem gozado largamente os aplausos. Mas estão as contas públicas realmente equilibradas? A parte revelada do quadro é vasta e verdadeira, mas só não seremos enganados se perguntarmos o que nos estão a ocultar.

O governo erigiu duas finalidades principais na estratégia: reduzir o défice e repor poder de compra, seja aumentando despesas em salários e pensões seja reduzindo os impostos sobre rendimentos. Bastam rudimentos de aritmética para saber que estes dois propósitos são contraditórios, e em contabilidade não há magias. O executivo tem levado ao extremo os expedientes criativos, mas estes, sem serem de desprezar, nunca avultam muito. Na falta de uma reforma séria do aparelho do Estado, que evidentemente não aconteceu, tem de haver um ardil camuflado.

Neste caso a resposta é óbvia: os cortes monumentais têm acontecido nas despesas, correntes e de investimento, de operação dos serviços. Os vários sistemas públicos têm trabalhadores aumentados, mas estão estrangulados no seu funcionamento. O dinheiro não é elástico; só se sobem salários e pensões cativando verbas. Isso vê-se, cada vez mais, da saúde aos incêndios, dos transportes às escolas, da segurança à cultura. Centeno reduziu o défice mantendo contentes as clientelas públicas, sacrificando as populações. Os sindicatos estão satisfeitos e ainda apoiam o governo, mas o Estado não funciona. E logo que vier um tropeço económico o défice explode, porque o problema financeiro público, se virmos o quadro completo, está longe de estar resolvido.

Se no orçamento se esconde metade do quadro, na economia conta-se só metade da história. A versão oficial começa com a terrível crise prévia, que tem como culpadas as exigências da troika e as políticas do governo anterior. Esquecem-se sempre as razões que motivaram essas exigências e essas políticas. Portugal estava falido em 2011, precisamente por causa do longo período de prosperidade aparente alimentada a crédito. O que significa que as condições antes da crise, que o governo agora pretende repor, são as que nos arruinaram. Não será possível retomar o nível de vida que tínhamos sem aumentar a produtividade, que aliás está a cair desde que este ministério tomou posse.

Interessante, também, é a forma como este embuste é conseguido, desta vez, a terceira, em condições muito diferentes. Guterres, nos anos 1990, tinha crescimento razoável, mas, gastando mais do que produzia, endividou o país, até à recessão de Barroso em 2002-2003. Sócrates, já sem crescimento que se visse, baseou o brilharete em puro endividamento, caindo na crise de Passos, muito pior. Agora há crescimento moderado, mas, dada a dívida astronómica, o endividamento ainda é limitado. A única solução é comer capital. Vendemos as melhores empresas a estrangeiros, o investimento líquido é negativo desde 2011 e deixamos decair o equipamento. Também aqui se sacrifica estrutura e produção para ir alimentando o consumo. Enquanto der.

O que tudo isto quer dizer é que, pela terceira vez na mesma geração, o país vive um período de falsa abundância que acabará mal no próximo solavanco nacional ou internacional. Nessa altura haverá muitas surpresas e acusações, mas esta recorrência mostra que a questão não se deve a ministros, estratégias, alianças ou percalços. O motivo tem de ser mais profundo.

Trata-se de um traço de carácter desta geração, que adoptou hábitos europeus com produtividade lusitana; tem exigências de rico e rendimento de remediado. Isto explica a paradoxal situação do país, muito melhor do que o atraso dos anos 1980, muito pior do que a imagem que tem de si mesmo. Lisboa é capital europeia, com o Terceiro Mundo dentro da porta. O país vive enorme desigualdade, resultante do contraste entre o luxo dos pavilhões municipais e a miséria dos munícipes, entre a vida dos protegidos de leis e sindicatos e a dos precários e desempregados.

Nisto os políticos são mais vítimas do que culpados. Os sucessivos governos há 20 anos tentam o equilíbrio impossível entre os polos do dilema. A única forma de manter o poder sem mentir é mostrar metade do quadro, contar metade da história. A conclusão tem de ser que estamos a ser enganados, mas, em grande medida, a culpa é nossa.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.