Cadê o Dr. Bumbum?

Por misturar na peça Amphitruo deuses, e os seus dramas divinos, e escravos, e as suas terrenas preocupações, o dramaturgo Titus Plautus usou pela primeira vez na história, uns 200 anos antes de Cristo, a expressão "tragicomédia". O Brasil quotidiano é um exemplo vivo do género iniciado por Plautus por juntar o sagrado, a ténue linha entre a vida e a morte, à farsa, na forma das suas personagens reais e fantásticas ao mesmo tempo. Eis um exemplo.

A polícia brasileira iniciou nesta semana uma caça ao Dr. Bumbum, com direito a divulgação das fotos do procurado em cartazes tipo "wanted" e recompensa de perto de 250 euros por qualquer informação que leve à sua detenção.

Denis Cesar Barros Furtado, 45 anos, cirurgião plástico especialista em procedimentos estéticos nas nádegas que ganhou aquela alcunha das pacientes, é considerado foragido desde que no início da semana teve a sua prisão temporária decretada pela morte de Lilian Calixto, de 46 anos, e fugiu de automóvel ao ser abordado pela equipa da delegada Adriana Belém.

Lilian, natural de Cuiabá, capital do estado do Mato Grosso, deslocou-se ao Rio de Janeiro para realizar uma cirurgia estética nos glúteos com o Dr. Bumbum, celebridade há anos na internet, com mais de um milhão de seguidores nas redes, mais até do que o Dr. Hollywood, outro cirurgião plástico famoso por atender celebridades e que equacionou candidatar-se à Presidência da República.

Após a operação, realizada num apartamento na chique Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, com a colaboração da técnica de enfermagem e empregada doméstica do médico, Rosilane Silva, de 24 anos, e da secretária e namorada dele, Renata Cirne, de 17, a paciente entrou de urgência no último sábado num hospital, onde viria a falecer já na madrugada de domingo vítima de embolia pulmonar.

As suspeitas apontam para aplicação excessiva de polimetilmetacrilato, um produto autorizado pelas autoridades médicas brasileiras mas apenas em pequenas quantidades. "Para correções mínimas na face, jamais em nádegas", disse o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Níveo Stefen.

A mãe do Dr. Bumbum

Além do Dr. Bumbum, a polícia procura também a sua mãe, Maria de Fátima Furtado, 66 anos, dona do apartamento onde as cirurgias eram realizadas e médica com o registo suspenso desde 2015 por publicidade enganosa frequente. No cadastro de Bumbum, por sua vez, constam 15 queixas na polícia, por homicídio, porte ilegal de arma, crime contra a administração pública, violação de domicílio e resistência à prisão.

A imprensa brasileira noticiou, entretanto, que outras pacientes se recusaram a ser atendidas pelo Dr. Bumbum quando souberam que as operações decorreriam num apartamento particular e não nas instalações da clínica estética para a qual ligavam previamente, sediada num centro comercial do bairro. Outra paciente acusa o clínico de ter aplicado silicone industrial nas suas nádegas.

Além do Rio, o Dr. Bumbum, cujo currículo divulgado nas redes fala em pós-graduações nos Estados Unidos, experiência de 15 anos em bioplastia e mais de cinco mil procedimentos cirúrgicos, dava consultas em São Paulo e em Brasília, novamente em casas particulares, com valores em torno dos cinco mil euros por intervenção, de acordo com a delegada Adriana.

A namorada e a empregada

A justiça emitiu um pedido de prisão temporária para Renata Cirne, a namorada/secretária, que já se encontra detida, mas recusou-se a prender por ora Rosilane Silva, a empregada doméstica/enfermeira.

Naiara Baldanza, advogada do Dr. Bumbum, considera "precoce" atribuir ao seu cliente responsabilidade na morte de Lilian Calixto.

De Maria de Fátima e do Dr. Bumbum nem sinal, por enquanto, para desespero da delegada Adriana que implora por informações dos seus paradeiros no cartaz tipo "wanted".

As contas do médico nas redes sociais, entretanto, foram apagadas. Por lá, além de aproveitar para anunciar a sua nova especialização, cirurgias para aumento peniano, o Dr. Bumbum publicava fotos de si próprio em tronco nu a mostrar os músculos e instantâneos das suas clientes de bruços com comentários como "sexy, sexy" ou "nádega a declarar". Um trágico comediante este Dr. Bumbum.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.