A Globo e 2018

Tudo o que eu quero é disputar a eleição com alguém com o logótipo da Globo na testa, dizia Lula da Silva a propósito da eventualidade de Luciano Huck, uma das estrelas da emissora, concorrer às presidenciais de 2018. Huck acabou por desistir, mas a frase do presidente do Brasil de 2003 a 2010 e pré-candidato às próximas eleições revela a importância da líder de audiências no país.

Uma importância que se mede em números: é a segunda televisão comercial do mundo em faturação, atrás apenas da norte-americana ABC, mais de 150 milhões de brasileiros veem-na diariamente através de 120 filiais espalhadas da selva amazónica à selva de cimento de São Paulo e tem mais jornalistas do que Portugal.

Mas, sobretudo, em influência: se o recorde da novela Roque Santeiro, com 98% de share no capítulo final, já não é batível na era moderna dos netflix e afins, ainda assim Roberto Carlos voltou, 30 anos depois, a vender um milhão de cópias por ter um tema seu cantado na novela Salve Jorge e o sistema elétrico nacional teve de reforçar a carga para evitar um apagão nos últimos episódios de Avenida Brasil. No futebol, porque decidiu que às quartas à noite há jogo depois da novela, todo o subcontinente sul-americano tem de adiar partidas para as 21.45, ou mais tarde, de modo a satisfazer a sua sagrada grelha. Ainda no futebol, um corrupto ex-presidente do organismo que tutela o desporto denunciado por toda a imprensa disse que só se preocuparia com os rumores sobre as suas ladroagens quando eles passassem no Jornal Nacional, principal noticiário do canal - no dia seguinte a sair uma reportagem sobre si no JN, fugiu para Miami.

O poder da Globo leva-a a ser amada e odiada em doses iguais, como acontece com todos os impérios: o império mundial dos nossos dias, o dos EUA, é seguido com devoção pelos amantes do Halloween, das Black Fridays, do Thanksgiving, do Superbowl e a sua cultura, consumida à exaustão, entrenha-se nas nossas vidas; no entanto, toda a gente ama odiar a América e o seu puritanismo hipócrita, a sua obsessão por armas, o seu materialismo levado ao limite e, claro, por se achar dona do mundo. Assim, como a Globo se acha - e se calhar é - a dona do Brasil.

Do ponto de vista político, esse ódio à Globo sempre partiu mais das esquerdas. Porque a emissora terá sido conivente com a ditadura militar e - caso específico - porque já em democracia admitiu ter editado, em 1989, um debate entre Lula e Collor de Mello considerado decisivo para a eleição do segundo. Mas, apesar de politicamente conservadora - afinal, sendo líder em toda a linha do Brasil tal como ele é compreende-se que queira conservá-lo tal como ele está -, nos costumes opta pelo liberalismo - a sua ficção prega, convictamente, a tolerância a todas as minorias.

E é aqui que, como assinala Eliane Brum, colunista do El País Brasil, reside uma perceção diferente, e recente, da Globo: apelidada de golpista, por Lula, Dilma Rousseff e os viúvos do consulado do PT em geral, passou a ser chamada também de comunista, pela cada vez mais decisiva e furiosa extrema-direita política e, sobretudo, religiosa.

Convém notar, a propósito, duas coisas: que essa extrema-direita, além de decisiva e furiosa, é ignorante e coloca debaixo do guarda-chuva do conceito de comunismo causas, como o casamento gay (proibido nos países comunistas, a propósito), e crimes, como a pedofilia; e que a cadeia de TV vice-líder no país é a Record, propriedade de Edir Macedo, papa da IURD.

Por isso, Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita que ganhou a simpatia da maioria dos radicais evangélicos brasileiros e está em segundo nas sondagens, diz que se for eleito cortará verba publicitária da Globo e ataca-a sempre que pode. Assim, como o líder em todas elas, Lula, que tudo o que queria era disputar a eleição de 2018 com alguém com o logótipo da emissora na testa.

Mesmo sem Huck, a emissora está portanto destinada a aproximar-se de um terceiro polo nas eleições de 2018. Um terceiro polo que terá o logótipo da emissora na testa, ainda que discretamente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)