Os Berardos vão votar. E tu?

Pode haver razões que justifiquem a opção pela abstenção e é preciso dizer que essa é também uma opção de liberdade. Mas se não vamos votar porque acreditamos que nada muda, que tudo está garantido, estamos a cometer um erro de palmatória. Votar faz diferença? Faz.Faz diferença porque nos indignamos com as falências de bancos, com a corrupção de alguns políticos, com a situação dos precários, com o mercado de arrendamento, com a falta de condições para ter uma vida condigna. Faz diferença votar.

Há poucos dias assistimos ao espetáculo já largamente comentado de Berardo a ser Berardo na Assembleia da República e não vale a pena perder mais tempo com ele. Até porque o problema não é Berardo: são os Berardos. O problema são os que lhe emprestaram o dinheiro, os que o usaram como peão, os que controlam as lógicas de decisão e de poder nacionais, os que assim querem continuar e que têm boas razões para ir votar. Sempre que os donos do sistema (dos vários sistemas de poder) votam, sabem porque o fazem e por quem o fazem: por si próprios.

E nós?Seremos idiotas úteis, a olhar sempre para o umbigo, sempre exatamente no mesmo sítio, tratando das nossas vidinhas e do conforto possível sem nos incomodarmos muito com os outros, com a vida comum, com o país, com a Europa, com a democracia?Seremos tão desinteressados e comodistas que nem nos damos ao trabalho de perder uns minutos e ir lá colocar uma cruz para ajudar a decidir o nosso futuro?

Continuar assim é apressar o dia em vamos ter mesmo de nos mobilizar, porque a apatia da maioria só vai acelerar o aparecimento de uma alternativa simplista que nos vai deixar a todos pior.Domingo não há desculpas há muitas alternativas: os do costume, os novos, os de esquerda, do centro ou da direita. Há partidos novos a concorrer, há partidos velhos para reformar, há parlamentos a eleger e há um sistema democrático que tem de funcionar. Quanto mais não seja, porque os Berardos vão votar; e tu, ficas em casa?

Exclusivos