Para que serve a Europa?

Há dias, numa conferência em Bruxelas, um dos comissários europeus mais interessantes e com maior orçamento (detalhe não irrelevante nesta conversa) comentava que a comissária europeia mais reconhecida publicamente seria Margrethe Vestager, a dinamarquesa que dirige a pasta da Concorrência, na Comissão Europeia. A razão de ser, explicava este comissário rico em orçamento, é que a sua colega tem poder. Vestager já multou a Google, a Apple, o Facebook... you name it. Ao longo dos últimos anos, a comissária da Concorrência tem sido o rosto de uma espécie de política fiscal comum alternativa que impõe limites à competitividade fiscal agressiva de vários Estados membros, de que muitas grandes empresas beneficiaram, e obriga-as a pagar os impostos devidos. Isso tem tornado a comissária conhecida e, acreditam no Berlaymont (a sede da comissão), popular entre os europeus.

Desta análise há algumas conclusões que se podem tirar. A primeira, é que em Bruxelas se importam com a reputação e imagem dos comissários. Nada de surpreendente. Mais relevante, é que na Comissão se acredita que a popularidade da União Europeia (e dos seus atores) resulta mais do poder do que do dinheiro que tenham. O que significa que, ao mesmo tempo que se discute o próximo orçamento europeu, vai continuar a discutir-se, sobretudo, poder para Bruxelas. Porque é isso que faz a diferença, acredita-se.

Há uns bons anos, a Europa era, para muitos de nós, no Sul da Europa, sinónimo de fundos. Era o dinheiro que importava. O que tinha feito a diferença. A Europa não era um ator interno, era um benemérito externo. Aquilo que nunca nos perguntámos, por cá, era a que é que os restantes europeus, os que não beneficiavam assim tanto desses fundos, associavam a Europa. À ideia de paz? À criação de um grande mercado? A resposta, pelo menos entre nós, não é conhecida nem discutida, mas não é nada irrelevante. Chegados aqui, chega-se à questão seguinte, que é a que importa. A Europa, para ser uma ideia que atraia os europeus, deve ser percebida como o quê? Para que serve a Europa? Ou, melhor dizendo, para que deve servir a Europa. Para que faz falta? Daqui a um ano e pouco há eleições europeias. Se não acontecer nada de extraordinário, a bolha europeia discutirá o spitzenkandidat, os lugares do PPE, Socialistas e Liberais, terá medo ou pânico (ou alívio) dos resultados dos partidos populistas e, passados uns dias, voltará ao seu caminho. Entretanto, discutirá o orçamento e, dessa forma, distribuirá parte do poder. Tudo isto está certo e faz parte do (bom) jogo democrático. Mas a Europa precisa de ser uma história que merece ser contada. Em vez da ideia de Projeto Europeu (que dá a sensação de que a Europa é um desígnio para onde as elites nos dirigem inexoravelmente), a Europa precisa de fazer falta. De ser uma partilha, uma cedência com ganhos e perdas, que se justifica por si. É isso que conta. E se essa história não for contada, não vai ser vencedora nas próximas eleições europeias. Falta um ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.