Para que serve a Europa?

Há dias, numa conferência em Bruxelas, um dos comissários europeus mais interessantes e com maior orçamento (detalhe não irrelevante nesta conversa) comentava que a comissária europeia mais reconhecida publicamente seria Margrethe Vestager, a dinamarquesa que dirige a pasta da Concorrência, na Comissão Europeia. A razão de ser, explicava este comissário rico em orçamento, é que a sua colega tem poder. Vestager já multou a Google, a Apple, o Facebook... you name it. Ao longo dos últimos anos, a comissária da Concorrência tem sido o rosto de uma espécie de política fiscal comum alternativa que impõe limites à competitividade fiscal agressiva de vários Estados membros, de que muitas grandes empresas beneficiaram, e obriga-as a pagar os impostos devidos. Isso tem tornado a comissária conhecida e, acreditam no Berlaymont (a sede da comissão), popular entre os europeus.

Desta análise há algumas conclusões que se podem tirar. A primeira, é que em Bruxelas se importam com a reputação e imagem dos comissários. Nada de surpreendente. Mais relevante, é que na Comissão se acredita que a popularidade da União Europeia (e dos seus atores) resulta mais do poder do que do dinheiro que tenham. O que significa que, ao mesmo tempo que se discute o próximo orçamento europeu, vai continuar a discutir-se, sobretudo, poder para Bruxelas. Porque é isso que faz a diferença, acredita-se.

Há uns bons anos, a Europa era, para muitos de nós, no Sul da Europa, sinónimo de fundos. Era o dinheiro que importava. O que tinha feito a diferença. A Europa não era um ator interno, era um benemérito externo. Aquilo que nunca nos perguntámos, por cá, era a que é que os restantes europeus, os que não beneficiavam assim tanto desses fundos, associavam a Europa. À ideia de paz? À criação de um grande mercado? A resposta, pelo menos entre nós, não é conhecida nem discutida, mas não é nada irrelevante. Chegados aqui, chega-se à questão seguinte, que é a que importa. A Europa, para ser uma ideia que atraia os europeus, deve ser percebida como o quê? Para que serve a Europa? Ou, melhor dizendo, para que deve servir a Europa. Para que faz falta? Daqui a um ano e pouco há eleições europeias. Se não acontecer nada de extraordinário, a bolha europeia discutirá o spitzenkandidat, os lugares do PPE, Socialistas e Liberais, terá medo ou pânico (ou alívio) dos resultados dos partidos populistas e, passados uns dias, voltará ao seu caminho. Entretanto, discutirá o orçamento e, dessa forma, distribuirá parte do poder. Tudo isto está certo e faz parte do (bom) jogo democrático. Mas a Europa precisa de ser uma história que merece ser contada. Em vez da ideia de Projeto Europeu (que dá a sensação de que a Europa é um desígnio para onde as elites nos dirigem inexoravelmente), a Europa precisa de fazer falta. De ser uma partilha, uma cedência com ganhos e perdas, que se justifica por si. É isso que conta. E se essa história não for contada, não vai ser vencedora nas próximas eleições europeias. Falta um ano.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?