Out of Africa

Se algum português tiver reparado que houve uma cimeira entre a União Europeia e África, nos últimos dias, é porque soube que terá sido lá que António Costa, Angela Merkel e Macron acordaram que Mário Centeno dava um belo presidente do Eurogrupo. O que são, importa dizer, boas notícias para Portugal e para o governo, como é óbvio. Porque tendo a presidência é menos provável que Portugal seja alvo de reprimendas e observações duras e, importante para António Costa, porque se destaca na paisagem dos socialistas europeus. Não há muitos a quem a vida esteja a correr particularmente bem.
Tudo isto é, pois, positivo, mas a reunião em Abidjan não era sobre o Eurogrupo. Embora fosse, também, sobre dinheiro europeu. E disso falou-se pouco por cá. O que é pena.
O tempo em que a Europa escolhia uns quantos projectos que considerava especialmente importantes e os financiava a fundo perdido, seleccionando (maioritariamente entre os europeus) quem os ia executar (construir, ser consultor, etc), já lá vai há muito. Da ideia de co-propriedade à de que os beneficiários sabem melhor que os europeus o que interessa fazer e como deve ser feito, passando pela convicção de que o dinheiro público deve ser usado para colmatar a diferença necessária para tornar os projectos viáveis (sejam estradas, ferrovias, produção energética ou agricultura), avançou-se muito. E nem todas as empresas e decisores políticos portugueses perceberam o que aconteceu. Hoje em dia, se as empresas não tiveram capacidade de também investir - ou de encontrar quem financie a sua quota-parte nestes projectos -, o mais provável é perderem concursos e contratos. Isso mesmo é o ponto fundamental de um dos novos instrumentos europeus para o investimento em África, o Fundo Europeu para o Desenvolvimento Sustentável (um Plano Juncker para África e outras partes do Mundo), a que as empresas só podem aceder através das instituições financeiras europeias para o desenvolvimento. No caso português, a SOFID, que não tem dinheiro que chegue para cumprir esse papel. Mas esse não é o único problema (e se fosse já era suficientemente grave). Todos os projectos financiados são seleccionados segundo critérios definidos antecipadamente. Assim como todo o financiamento aos países africanos é feito com base numa programação a longo prazo. E tudo isto é feito ouvindo as várias partes interessadas. As que se fazem ouvir, claro. Ora, como não temos uma entidade financeira de financiamento do desenvolvimento capaz de dar força às empresas portuguesas, e raras são as que acompanham os processos negociais de programação, não é de surpreender que tirem muito menos partido do que poderiam tirar. Há umas quantas que se destacam, há, mas são muito menos do que as que poderiam ser. E têm cada vez mais concorrência. Chinesa, já se sabe, mas europeia também.
Falar a língua dos locais é útil, mas ter estratégias coordenadas com os seus governos e dinheiro é um pouco mais decisivo. Por mais que a candidatura ao Eurogrupo seja importante, e é, alguém acha que Merkel e Macron foram a Abidjan por causa de Mário Centeno? Pois.

Consultor em Assuntos Europeus

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.