Esquerda okupada

Depois de ter sido enxovalhado nas eleições presidenciais francesas, Benôit Hamon, o então candidato socialista, decidiu criar um novo partido, o Generation.s, e prepara-se para concorrer às europeias alinhado com a lista que Yanis Varoufakis está a organizar. Podendo parecer irrelevante, isto conta uma história.

Numa entrevista à revista italiana L"Espresso, no final de Julho, Hamon explica que o seu resultado, atrás do extremo-esquerdo Jean-Luc Melénchon, foi culpa da herança do governo socialista de François Hollande. O facto de o vencedor, Emmanuel Macron, ter sido ministro da Economia do mesmo governo socialista não o parece impressionar.

Benôit Hamon não se limita a acusar o novo presidente francês de ser o presidente dos ricos, ou de não se preocupar com os pobres, ou a reclamar-se herdeiro do socialismo verdadeiro (que fez, com os democratas-cristãos, a Europa e o euro). O líder do Generation.s diz que o mal disto tudo é a Europa que temos, o Euro e a fragmentação de uma esquerda que integrou neoliberais como Hollande (é o que ele diz, juro).

O percurso pessoal de Hamon não é único. Pela Europa fora, muita esquerda está a virar à esquerda da esquerda (se Varoufakis não é o fim da esquerda, quem é que é?), deixando o centro esquerda a transformar-se num deserto. No Labour britânico, nos franceses, na Grécia, em Itália e na Alemanha, para elencar os mais evidentes, o centro esquerda social-democrata está a perder votos e quem o queira representar. Depois das derrotas eleitorais, vez de ressurgir um socialismo que convive com o mercado e o capitalismo, mas o quer transformado, que defende a Europa sem dúvidas e com os pressupostos todos (incluindo, de novo, o mercado, mas também a liberdade, e o Ocidente), esta esquerda prefere Chavez (quando não mesmo Maduro) aos presidentes americanos todos, é contra o Euro, acredita na conspiração dos banqueiros e, de resto, acumula causas marginais como bandeiras. E na hora do voto, no Parlamento Europeu, em muitas coisas confunde-se com a extrema-direita. Mesmo que por razões opostas.

Na mesma edição, a L"Espresso faz um grande dossier sobre o futuro da esquerda. O mais impressionante é que a lista de quem os jornalistas acham que vai ser o futuro da esquerda italiana inclui ativistas de tudo e mais alguma coisa (sobretudo direitos dos imigrantes, é certo), mas quase ninguém que represente temas tradicionais da social-democracia. Ou seja, se a L"Espresso tiver razão, o futuro da esquerda italiana é, no essencial, a esquerda radical.

Um dos problemas disto tudo é que estas coisas ultrapassam as fronteiras nacionais. A Europa tem sido feita, e só pode ser feita, de consensos. Uma construção que não corresponde a uma realidade política pré-existente precisa de ser mais consensual que confrontational, de ter o acordo de quase todos e não a alternância permanente de opostos. À direita, apesar da extrema estar a crescer, ainda há grandes partidos de centro-direita com peso e votos. À esquerda, o centro-esquerda está a desaparecer e a possibilidade de consensos desaparece com ele. Uma Europa feita assim desfaz-se num instante.

Consultor em Assuntos Europeus

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.