Boas ideias para o futuro

A maior parte dos portugueses é capaz de nem desconfiar como se chama a secretária de Estado para a Indústria ou sequer achar que a função faz falta num país que raras vezes pensa em si como industrial. Felizmente, para esses portugueses e para os outros, a senhora existe e tem uma ideia que pode ser muito útil para o país. Chama-se Zona Livre Tecnológica e Ana Teresa Lehmann, a secretária de Estado, falou dela numa entrevista ao Expresso, no final do mês passado.

Como ali disse, uma Zona Livre Tecnológica "é o espaço físico ou regulatório que proporciona a experimentação de novas tecnologias, a atração de investimentos para iniciativas de teste. E isto pode representar um mercado enorme, tanto do ponto de vista de gerar desenvolvimentos tecnológicos do lado da oferta como do lado da procura por entidades externas de um ecossistema favorável a iniciativas de testes".

Dito de outra maneira, o que se propõe é criar espaços legais (e, em alguns casos, como na mobilidade e na saúde, necessariamente físicos) onde novas soluções possam ser experimentadas, desenvolvidas, aperfeiçoadas, dentro de um ambiente regulatório específico, mais livre, mas igualmente seguro. Ninguém quer ser o sítio onde se testam carros sem condutores sem quaisquer regras ou condições - já morreram pessoas reais assim. Mas as vantagens de ser o local onde se pode testar essas soluções, em ambiente real, traz enormes vantagens ao país. Ou pode trazer, pelo menos. Atrai investimentos, dá aos nossos prestadores de serviços a essas indústrias oportunidades que dificilmente teriam, abre portas para participarmos em projetos de inovação e desenvolvimento no mais avançado estado da arte e a possibilidade de participar em projetos financiados pelos fundos europeus (designadamente o sucessor do Horizonte 2020), porque se os testes são cá, algumas empresas, universidades e centros tecnológicos portugueses hão de estar envolvidos. E por último, mas não menos importante, permite que Portugal tenha a legislação mais avançada para responder à introdução de tecnologias e serviços disruptivos. Estar à frente do futuro. Dito assim parece tonto, eu sei, mas não é por acaso que o Reino Unido, para dar um bom exemplo, é escolhido para muitas das empresas lançarem os seus serviços ou produtos inovadores. É, também, porque o ambiente legal ajuda. E isso, obviamente, beneficia a economia britânica.

É tempo de pensar no futuro. Onde é que o país pode ser competitivo e como é que o Estado pode ajudar (de preferência sem se endividar ou nos taxar). Não há caminhos únicos, mas há alguns que fazem especial sentido. Este é um deles. A economia digital tem um enorme potencial disruptivo, como se sabe; e tem, não menos importante, a nosso favor o facto de a geografia não ser necessariamente determinante. Resumindo, Ana Teresa Lehmann tem uma boa ideia e, não é preciso ser um génio para adivinhar, certamente precisa de apoio de quem percebe o que está em causa. É que, nem que seja por comodismo - já para não falar em interesses instalados -, haverá resistências. Resta saber se também haverá apoios.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.