As primeiras europeias a sério

As eleições europeias são sempre percebidas pelos eleitores como umas primárias, ou intercalares, das respetivas eleições nacionais. Quando não são percebidas como coisa nenhuma. A reação tem, senão razão de ser, pelo menos explicação. Ninguém sente que haja um efeito imediato dessas eleições. E, de facto, não há; nem é muito bom que haja (porque isso significa que há constância e consenso). Mas isto pode mudar. Para pior.

Tradicionalmente, aconteça o que acontecer, no fim os populares e os socialistas europeus são os dois maiores grupos e têm distribuído entre si os principais lugares e garantido que nada de verdadeiramente decisivo é feito sem uns e outros. O que faz que a política europeia seja, no essencial, compatível com a maioria dos programas eleitorais de quem governa nos diferentes Estados membros. Parecendo cinzento e aborrecido, e sendo, isso tem a vantagem de não provocar ruturas nem divisões. A Europa não é - não tem sido - motivo de cisma entre os que governam na Europa (incluindo os moderadamente eurocéticos). E os que pensam de maneira muito diferente não se têm organizado. Por serem sobretudo nacionalistas, não se têm dado muito ao trabalho de fazer grandes alianças pela Europa fora.

"Olhando para o que se passa pelo continente fora, é muito provável que os socialistas tenham um resultado bastante mais fraco do que no passado, assim como os populares europeus podem, também, sair enfraquecidos"

Em Itália, na Polónia, em França, na Alemanha, em vários países da União Europeia, o que antes unia os partidos fora do consenso europeu era o que os separava: querendo menos Europa, não queriam uma política europeia comum do que quer que fosse. Agora, porém, há um tema que os une: os imigrantes e refugiados. E seja qual for a resposta que se dê a este tema, ela será europeia, mesmo que seja nada. É por isso que estas eleições podem ser as primeiras eleições europeias. As primeiras em que o resultado pode, de facto, mudar a política na Europa.

Olhando para o que se passa pelo continente fora, é muito provável que os socialistas tenham um resultado bastante mais fraco do que no passado, assim como os populares europeus podem, também, sair enfraquecidos. Pelo contrário, os partidos antieuropeus, e os mais radicais, têm crescido pela Europa fora. E não sendo certamente maioritários, se se unissem no Parlamento - coisa que nunca aconteceu, porque há sempre uns extremistas que se recusam a sentar ao lados dos outros - teriam um peso que nunca tiveram. Não seria decisivo. Não vão fazer maioria sozinhos, não vão impedir maiorias entre os partidos do grande centro (que vai do centro-esquerda ao centro-direita), mas podem vir a ser o primeiro grupo político europeu a corresponder, de facto, a um sentimento comum através da Europa. Será essa, de resto, a sua extraordinária contradição: os primeiros europeus a unirem-se de facto - para lá dos partidos - são os que têm em comum não quererem qualquer união.

Nas próximas eleições europeias, uns vão culpar a Europa pela globalização, os imigrantes e refugiados (mesmo onde eles são poucos ou irrelevantes), e os imigrantes, refugiados e/ou a globalização por quase tudo. Resta saber o que vão fazer os outros. Se ficarem calados, não haverá quem fale pela Europa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.