Premium A Le Pen não se ganha assim

O público da Websummit não vota em Le Pen. É sobretudo por isso que deixá-la lá ir ou não é fundamentalmente espectáculo sem consequência. Ao público que vota Le Pen, os oradores de luxo da cimeira não dizem nada. Esse é que é o problema, e não se resolve assim.

O eleitorado da Websummit - a expressão é intencional - é optimista. Acredita no global, no empreendedorismo, nas energias limpas e renováveis, na mobilidade partilhada, no fim dos plásticos, na economia verde, na economia digital, no futuro em geral e nos benefícios de comer quinoa em particular. O eleitorado de Le pen está a milhas disso tudo.

Segundo uma sondagem divulgada pelo Nouvel Observateur (o L"Obs) em Abril do ano passado, a caminho das últimas presidenciais francesas, Le Pen tem os seus melhores resultados entre quem "tem o sentimento de exercer uma profissão em declínio", entre quem "vive com muitas dificuldades com o rendimento mensal", entre quem "tem menos rendimentos", entre quem "pensa que os jovens viverão pior". E que não come quinoa, aposto. É a esta gente que Le Pen se dirige, com crescente sucesso.

A cena que se segue passou-se há mais de 11 anos, a caminho das presidenciais e legislativas franceses de 2007, e resume-me bem o problema que ainda temos. Como então escrevi para a Atlântico "Marine Le Pen, (...) esperou que os restantes participantes no debate se calassem, abriu a carteira muito feminina e tirou lá de dentro dois alicates. "Este, diz "made in china", custou um Euro. Este outro ("made in France"), comprei-o numa loja de bricolage, custou doze Euros." Da mala ainda saíram mais uns quantos objectos semelhantes, até que a loira Le Pen disse o que se esperava: é impossível concorrermos contra estes preços. Temos de aplicar taxas alfandegárias diferentes, em função das condições socais dos países". (...)"

"O que mais impressionou no pequeno espectáculo não foi o que a senhora Le Pen fez ou disse. O circo é suposto vir incluído nas actividades de gente assim. O mais impressionante foi a falta de uma resposta firme e imediata."

Passados mais de 11 anos, é por tudo isto que a vitória de Macron foi tão importante. E tão diferente.

Durante as últimas eleições francesas, Macron teve coragem de defender aquilo em que acredita: a Europa, a economia de mercado, a protecção social, o empreendedorismo e a importância das empresas. Não interessa, aqui, se a sua ideia de Europa é a preferida ou preferível, ou se Macron é um social democrata moderno, um liberal social ou outra coisa qualquer. A questão é que Macron não se acobardou nem tentou dizer quase o mesmo, como os restantes daquele debate de há 11 anos.

O problema não é Le Pen falar ou não na Websummit, o problema é os moderados e com fé no futuro conseguirem falar ao seu eleitorado. E convencerem-no.

Consultor em assuntos europeus

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.