Passe único. Acabou-se mesmo a hipótese do café no autocarro

Tantas vezes, depois de comprar o passe, entro no autocarro e pergunto ao motorista quando vai ser servido o pequeno-almoço. A verdade é que por 165 euros - não é engano, o passe da TST de Setúbal para Lisboa, combinado com o Metropolitano e a Carris, custa esta fortuna - podia ter direito, pelo menos, a um café.

Ao mesmo tempo que entro no autocarro, o meu filho entra no comboio da Fertagus. São mais 120 euros, com desconto para estudantes. Gastamos 280 euros por meses em passes. Mesmo assim, muito menos do que representaria fazer o trajeto diário de automóvel, devido ao valor das portagens, do combustível, desgaste do carro... e o calvário do estacionamento. Além de que viajar de transportes públicos representa algum conforto: pode-se ler, ouvir música, dormir...

O passe único, no máximo de 40 euros cada, representa no nosso rendimento mais de 200 euros disponíveis, o maior aumento salarial que podia imaginar. Quem vive nas extremidades da Área Metropolitana de Lisboa sentirá de forma mais substancial os efeitos desta medida. Marques Mendes - e o PSD também - já apontou: "É uma medida eleitoralista!" Ah, pois é! Num ano em que há dois atos eleitorais - europeias e legislativas -, a medida que custa ao Estado 104 milhões de euros não deixará de compensar o descontentamento de alguns profissionais como os professores e os enfermeiros. Mas quem é que está contra ela?

Só que não chega baixar o preço do passe, é preciso criar melhores condições nos transportes públicos: ao longo dos anos, o número de carreiras tem vindo a diminuir. A Fertagus para Setúbal, fora da hora de ponta, só tem comboios de hora a hora. A partir das 20.45 acontece o mesmo com os autocarros da TST, alguns a juntar dois percursos. Em Lisboa, as esperas pela Carris chegam a ultrapassar meia hora, o metro 12 minutos! As previsões é que haja mais 10% de passageiros, é necessário acautelar resposta.

A frase de propaganda é que não podia ser melhor: "Custa mais acreditar do que comprar." Não consegui esperar pelo último dia do mês e esta segunda-feira comprei o passe. É mesmo verdade. Só paguei 40 euros e ainda fui informada na bilheteira que podia viajar de Mafra a Setúbal com o passe único... e em qualquer meio de transporte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.