Vivam os tailandeses!

Restelo, bairro de Lisboa, Rua de Alcolena, pequena e de vivendas, às 13 horas, à hora a que escrevo. Porque não está lá uma multidão? Ou um descendente do Senhor do Adeus, o homem que distribuía saudações aos lisboetas, de madrugada, só porque gostava deles? A Tailândia merece este gesto nosso: viva! Viva um país que cuida dos seus, salva os seus. Viva a Tailândia, vivam os tailandeses que não perderam a esperança por 12 miúdos e o seu treinador.

Viva um país que aceitou o apoio de quem o sabia dar. Que soube acolher estrangeiros que podiam dar conselhos e saberes, sem se melindrar com nacionalismos espúrios. Viva a Tailândia que tem autoridades que falam com autoridade, não escondendo, porém, a comoção. Vivam os tailandeses que sempre souberam mostrar a gentileza aos turistas e ensinou-nos agora que não é mero interesse, é respeito pelos outros, como só pode ter quem cuida dos seus.

Porque não nos juntamos por um agradecimento? Porque não reconhecemos a necessidade de dizer bem quando o bem que outros nos fazem é água fresca que nos salva? Ao menos passem pela Rua de Alcolena e deem duas buzinadelas de alegria.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.