Ronaldo parte o coração a Madrid

No futebol, devia haver mais amizade e menos amor; a amizade é leal e ao amor acontece-lhe ser infiel. É pena a admiração que tão bem se adivinha nos miúdos dando a mão ao seu herói, nas entradas em campo (ah, os seus olhos deslumbrados!), se transforme neles, ao tornarem-se adultos e adeptos, em ciúme cego de Otelo... E isso é inevitável numa atividade humana dada a transferências.

Seria revelador ouvir os primeiros rapazinhos, de 8, 9 anos, que entraram no relvado de Santiago Bernabéu pela mão de Cristiano Ronaldo, agora que eles são adolescentes e dez anos mais velhos, já com tiques e a paixão desenfreada de sócios de clube. No tempo que vai desde esse primeiro contacto com o jogador, este deu-lhes títulos, glória, golos e alegrias que talvez só outros dois, Puskas e Di Stefano, deram ao clube comum.

E, no entanto, ouvir muitos desses jovens, hoje, seria arriscar a palavras de desprezo sobre a partida do Ronaldo: "Já vais tarde!..." Quando, ainda há semanas, com um pontapé de bicicleta (chilena, dizem, em Madrid) o português dera-lhes um prazer de síncope e abrira o caminho para mais um troféu na Champions. Agora, o jogador partiu, por ele, diz o próprio, porque o Real Madrid não lhe deu a merecida atenção, dizem muitos, mas é esta a razão da minha crónica: no jornal El País, o colunista galego Manuel Jabois escreveu uma crónica divina.

"Merecemos enterrar o nosso ídolo. Merecemos a decadência do nosso ídolo. (...) Não se trata do que ele foi, sim do que ele é", escreveu Jabois, que é aficionado do Real Madrid e queria o jogador para si eternamente. Com um jogador como Cristiano Ronaldo, afinal, desculpem, o futebol também pode ser amor, limpo e empolgante.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.