Ronaldo parte o coração a Madrid

No futebol, devia haver mais amizade e menos amor; a amizade é leal e ao amor acontece-lhe ser infiel. É pena a admiração que tão bem se adivinha nos miúdos dando a mão ao seu herói, nas entradas em campo (ah, os seus olhos deslumbrados!), se transforme neles, ao tornarem-se adultos e adeptos, em ciúme cego de Otelo... E isso é inevitável numa atividade humana dada a transferências.

Seria revelador ouvir os primeiros rapazinhos, de 8, 9 anos, que entraram no relvado de Santiago Bernabéu pela mão de Cristiano Ronaldo, agora que eles são adolescentes e dez anos mais velhos, já com tiques e a paixão desenfreada de sócios de clube. No tempo que vai desde esse primeiro contacto com o jogador, este deu-lhes títulos, glória, golos e alegrias que talvez só outros dois, Puskas e Di Stefano, deram ao clube comum.

E, no entanto, ouvir muitos desses jovens, hoje, seria arriscar a palavras de desprezo sobre a partida do Ronaldo: "Já vais tarde!..." Quando, ainda há semanas, com um pontapé de bicicleta (chilena, dizem, em Madrid) o português dera-lhes um prazer de síncope e abrira o caminho para mais um troféu na Champions. Agora, o jogador partiu, por ele, diz o próprio, porque o Real Madrid não lhe deu a merecida atenção, dizem muitos, mas é esta a razão da minha crónica: no jornal El País, o colunista galego Manuel Jabois escreveu uma crónica divina.

"Merecemos enterrar o nosso ídolo. Merecemos a decadência do nosso ídolo. (...) Não se trata do que ele foi, sim do que ele é", escreveu Jabois, que é aficionado do Real Madrid e queria o jogador para si eternamente. Com um jogador como Cristiano Ronaldo, afinal, desculpem, o futebol também pode ser amor, limpo e empolgante.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...