Quero dar um "ConselhoAoCosta"

Contas falsas no Twitter é o que mais há. Pedir para fechar uma porque goza connosco é confessar que podemos ser confundidos com uma anedota. Por isso, pela tolice do pedido, estou convencido de que não foi António Costa quem sugeriu que se fechasse o "Costa, Primeiro", que no Twitter promovia os "ConselhosDoCosta".

Não conheço o primeiro-ministro suficientemente para lhe conhecer o humor, mas lá inteligente noto que é. O problema é que, além de inteligente, António Costa tem poder e isso é uma circunstância perigosa: atrai os mais papistas. Tanto o gabinete do primeiro-ministro como a assessoria do PS negaram qualquer ligação ao fecho do "Costa, Primeiro". Tomo nota, suspiro de alívio, regozijo-me não ter havido tolice. Ou, pelo menos, não ter havido tolice confessada.

Mesmo que seja mentira já é uma homenagem à virtude: é embaraçoso apregoar que se quer fechar uma conta do Twitter que faz piadas. É mau porque seria uma censura. É tolo porque é um estrebuchar vão - aliás, já há, desde há poucas horas, uma conta no Twitter chamada "Costa, Segundo." A aritmética é infinita e certamente se chegaria a um naufrágio de tentativas de fecho (olha, a derradeira poderia chamar-se "Costa, Concordia"), antes de se chegar ao fim dos algarismos.

Sendo assim, permito-me um "ConselhoAoCosta". Que ele aproveite um momento - ou o proporcione, o essencial é que seja em breve - para dizer que lamenta o fim dos "ConselhosDoCosta". Evoque dois ou três e sorria - não vale a pena exagerar, ir às lágrimas e bater com a mão na coxa - mas tenha o cuidado de declamar um que tenha alguma graça. Feito isso, regressemos todos à cinzenta realidade da crise.

Mas eu não me perdoaria se não lembrasse aos leitores o que é um site satírico a sério sobre políticos. O espanhol Alberto González faz vídeos manipulando imagens reais de políticos. Ouvir o primeiro-ministro Rajoy a saudar os presentes numa cerimónia oficial - "Muitas tardes e bom obrigado por terem vindo..." - é quase tão bom como sentir o Eurogrupo a dar-nos uma palmadinha nas costas.

Exclusivos