Ele tem problemas? Corta-se nela

Dava uma boa piada, mas só daquelas horríveis que se podem contar entre gente decente. Como piada para até boçais rirem é um nojo - o humor, sabe-se, é exigente na companhia. Então, o deputado egípcio Elhamy Agina, a pretexto do Egito ser dos países mais consumidores de Viagra e afins, defendeu a Mutilação Genital Feminina. E explicou: diminuindo o desejo da mulher com a mutilação, o casal baixa o patamar das relações sexuais e os homens podem ter a vida mais tranquila.

A discussão vale por destapar o pressuposto em que ela assenta: mais uma vez a mulher aparece em função do homem. Também as escravas sexuais no Estado Islâmico são obrigadas a tomar a pílula contracetiva porque os terroristas querem que se respeite uma lei medieval: é pecado ter relações com uma mulher grávida... A pílula foi inventada para as mulheres serem um pouco mais donas do seu corpo. Mas, para aqueles homens, a pílula delas é para eles - eles! - não pecarem.

Agora, temos um deputado egípcio também a pôr o mundo à volta do masculino eixo fundamental: corta-se nela quando ele amolece.