Ah, já sabiam? E não fizeram um escândalo?!

O assunto tem uma semana, eu não estava cá, não soube. Ontem, li-o no site do Diário de Coimbra. É uma notícia, as notícias são efémeras, não duram uma semana. Em todo o caso, o que escrevo aqui é crónica, não é notícia. É coisa caprichada. Pelo menos quer ser. Será de trazer a notícia para aqui? Vou checar com entendidos: o assunto cabe aqui? O brasileiro Joaquim Ferreira dos Santos é entendido. Ele organizou a antologia As Cem Melhores Crónicas Brasileiras. Os cronistas brasileiros são os melhores da nossa língua. Nem preciso de falar com JFS, ele diz no prefácio: "A crónica fareja o quotidiano" e, também, "na crónica vale tudo menos ser chato." Diz ainda, mas essa é frase de Machado de Assis: "A crónica está no detalhe, no mínimo, no escondido." Entendi, a notícia do Diário de Coimbra é também crónica, e eu estou a mais. Eis a notícia: "O Tribunal de Coimbra condenou um homem de 71 anos a uma pena de 27 meses de prisão, suspensa por igual período, por abuso sexual de um neto, na altura com 4 anos. Acusado pelo Ministério Público de 50 crimes, o arguido, residente na Figueira da Foz, ouviu o juiz que leu o acórdão manifestar a convicção de que os factos aconteceram, mas, ressalvou, o tribunal não pode afirmar quantas vezes. "Sabemos que foi mais do que uma vez", acentuou o magistrado, ao considerar que a prática de 50 crimes foi uma "ficção" da acusação, não sendo possível, sequer, afirmar que foi uma vez por semana"...

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG