Ferreira Fernandes

A atrocidade, o mundo e Portugal

Ainda estamos longe de um pedido de desculpas ao mais alto nível, que um dia acontecerá. Até lá, devemos perceber melhor o tráfico de escravos do Atlântico e como Portugal e os portugueses se envolveram. Um caminho que nos ajudará a melhor perceber o mundo global de hoje e reconhecer o quanto foi feito à custa da repressão dos mais fracos. Um passado que nos põe de sobreaviso sobre a necessidade de se resolverem problemas actuais, à escala global. O mundo pode e deve ser diferente.

Pedro Lains

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

João Gobern

O João. Outra vez, o João Salaviza...

PremiumFoi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.

Rui Pedro Tendinha

A globalização que terminou em barbárie

Era uma vez um mundo onde bancos e empresas cada vez maiores, tirando partido das novas tecnologias e da liberalização das trocas entre países, conduziram as economias nacionais a uma profunda integração global. Este processo trouxe riqueza para alguns e pobreza para outros. Acima de tudo trouxe instabilidade, desigualdades e mudanças sentidas como excessivas por grande parte das pessoas. As populações começaram a questionar os políticos de sempre e a acolher discursos de ruptura. Em vários países começaram a chegar ao poder movimentos e indivíduos autoritários e agressivos. O mundo acabou afundado em guerras, morte e repressão. Isto não é uma previsão - é uma lição da história que nos chama a atenção para os riscos da era em que vivemos.

Ricardo Paes Mamede

O caso da password promíscua

Uma vez, há mais de 30 anos, estava eu a escrever para o jornal Le Monde e fui fazer uma reportagem ao Parlamento português. Era sexta de manhã e assinalei ao fotógrafo este e aquele deputado nortenho a assinar a folha de presenças. Depois, a nossa equipa de reportagem foi para Santa Apolónia onde apanhámos o comboio do meio da manhã para o Porto. E quem lá ia? Claro, vários deputados, de vários partidos, estranhamente a caminho de casa, quando acabavam de deixar testemunho assinado de que estavam, àquela hora, em trabalho parlamentar na capital.

Ferreira Fernandes

Entre apps e plantas

A Web Summit acabou, mas volta, e volta por mais dez anos, e isto são excelentes notícias. E não é por Marcelo ter reanunciado outra vez a sua recandidatura nem pela coisa em si e pelo bem que faz à cidade e ao país. É mesmo porque assim temos mais dez anos para ouvir, durante uma semana em novembro, que é sempre um mês difícil porque é o mais normal de todos, o mês em que as pessoas já trabalham e esqueceram o verão e ainda não foram para o Natal, de termos ali logo no início o privilégio, o prazer, o deleite, de ouvirmos na rádio, televisão e jornais, no digital e no papel, as grandes pérolas de sabedoria daqueles que são contra a Web Summit. Pena que não os possamos ouvir em meses tristes e normais, como um março ou até um abril, mas não se pode ter tudo e agora temo-los mais dez anos, na primeira semana de novembro.

João Taborda da Gama

O fantasma na linha de produção

PremiumTal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Rogério Casanova

Adeus, futuro. O fim da intimidade

PremiumPelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)

Maria do Rosário Pedreira

O monoteísmo do "deus dólar" continua

PremiumEm 1866, o jovem Eça de Queirós aproveitou a passagem por Lisboa do moderníssimo couraçado norte-americano USS Miantanomah para escrever na imprensa algumas notas penetrantes sobre a identidade dos EUA. No essencial ele identificava uma tensão matricial em Washington, definida pela oposição entre o "deus dólar", que explicava a violência expansiva, mesmo desumana, do seu capitalismo, e o impulso para a "justiça", traduzido na abolição da escravatura ao preço do enorme sacrifício da Guerra Civil, terminada no ano anterior. Gostaria muito de poder subscrever a tese de que nas recentes eleições intercalares a justiça prevaleceu sobre a idolatria do capital. Infelizmente, o sinal positivo dado pelos eleitores é ainda insuficiente para atenuar a gravíssima patologia da democracia nos EUA.

Viriato Soromenho-Marques

Elas

Ela é uma pessoa fascinante. Sagaz, inteligente, linda, doce e lutadora. Não tem proteção, é toda ela quando se apresenta. Não consegue disfarçar a amargura que lhe vai na alma e não pede desculpas por isso. Nesta semana partilhou várias fotografias nas redes sociais vindas diretamente do seu "baú das recordações". Fotografias de jogos de futebol, de namoro, de sedução, do dia do casamento num dia 13 de 1981. O olhar é o mesmo, a beleza continua lá toda, mas desse amor resta, sobretudo, a memória dela, que ela quis partilhar connosco nesta semana. Quando a conheci, há uns dois anos e meio, ele ainda vinha com ela aos eventos públicos. Agora já não vem. Ela vem, só aparentemente, sozinha, porque ele vem sempre com ela. Ele é a parte total dos dias dela. Ela carrega o amor, como só ela sabe, o cansaço, a tristeza, e agora quase toda a memória do que foi a história deles. Nos olhos dela avista-se tudo como se fosse uma manhã límpida. Ela é do Porto.

Marisa Matias

Democracia no feminino

PremiumDo conjunto da CPLP, Cabo Verde pode orgulhar-se de ter sido o primeiro país a ter um magistrado fêmea (após a independência a lei portuguesa que proibia mulheres na magistratura ainda continuou em vigor, porém o art.º 22.º da LOPE - Lei da Organização Política do Estado - prescrevia que só quando não contrariasse os princípios e objetivos do PAIGC); e também um deputado fêmea, que aliás chegou a ser eleita vice-presidente da Assembleia Nacional Popular, motivo na época do nosso grande embandeiramento na lista dos mais progressistas.

Germano Almeida 

A cultura e a luta pela validação da verdade

PremiumHá palavras difíceis de definir. "Cultura" é uma delas. De uma forma simples, sem pretensões académicas, "cultura" será a palavra que todos sabemos o que é, mas que temos dificuldade em concretizar, talvez porque saibamos (uns mais do que outros...) que a cultura de um não poderá ser, em absoluto, a cultura de todos, mas sim o conjunto dos contributos de cada um. A aceção de "cultura" terá de ser coletiva e, nesse sentido, sempre sinónima de democracia.

Maria Antónia de Almeida Santos