Generais de Rilhafoles*

Uma das coisas mais divertidas do "caso Colégio Militar (CM)" é que, ao virem a público negar a existência de motivos para a intervenção do ministro da Defesa, todos os que o fazem reiteram a necessidade (urgência, até) da mesma. É ler o texto que Garcia Leandro, a abrir as hostilidades, escreveu no DN. Este general reformado, membro da Associação dos Antigos Alunos do CM, deu em 2013 a cara pela campanha "Querem matar o Colégio Militar" contra o então ministro da Defesa, Aguiar-Branco, por este ter tido o desplante de considerar inadmissível a segregação de género num estabelecimento de ensino do Estado e impor a entrada de raparigas. Agora, diz que "aquilo que a Constituição declara sobre comportamento sexual de qualquer cidadão não se pode aplicar de modo cego para estas idades". Fala, presume-se, da proibição da discriminação com base na orientação sexual, que crê não se aplicar a menores. Ora, sendo lícito discriminá-los, não aconteceu qualquer procedimento inconstitucional no CM ou declaração que o indicie. Houve foi "deturpação da realidade."

E o que é a realidade? No Fórum da TSF de quarta-feira, o almirante Vieira Matias, ex-chefe do Estado--Maior da Armada, explica: "Não é só uma questão de homossexualidade, a heterossexualidade tem de ser igualmente proibida [no CM]." O que seria evidente, não houvesse "uma certa falta de senso no tratamento desta questão". Inteiramente de acordo, Ricardo Durão, outro general na reserva, corre tudo a estúpido no Expresso. O fechar do Instituto de Odivelas e o abrir do CM às meninas foram "estupidamente" perpetrados por Aguiar-Branco; as afirmações do subdiretor do CM sobre a exclusão dos alunos homossexuais e a necessidade de saírem da escola são "correta e pura realidade"; os pais desses alunos, a não ser que "absolutamente insensatos", só podem concordar. E quem, como o ministro da Defesa, se oponha a que meninos homossexuais vão para a rua só pode ser tontinho. Mas o general, caridoso, quer trazê-lo à razão: "É admissível que um militar numa instalação militar se "envolva na marmelada" com um camarada ou uma camarada, dado que já existem mulheres militares. (...) Como será o futuro? Alguns passarão a desfilar de mãos dadas, em manifestação expressiva do respetivo "orgulho gay"?" E termina com o que crê cúmulo da impossibilidade e do ridículo: "Deve achar, por certo, que é constitucional ou legal que um militar contraia casamento com outro do mesmo sexo (por exemplo: um general casar com um cabo)."

Não admira, de facto, ver a pobre Associação 25 de Abril, que suspeita de "razões escondidas" do Observador "para provocar as declarações do subdiretor", a acusar o ministro de "não perceber nada da psicologia dos militares" e apelando à sua substituição. Azeredo Lopes é jurista; para lidar com problemas destes é necessária outra especialidade.

* O Real Colégio Militar teve sede no Convento de Rilhafoles, depois asilo de alienados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".