Do sótão de Belém

Tenho o direito e o dever de apresentar as coisas tal como aconteceram. Aqui fica a minha verdade, para que a mentira não passe incólume à história." Estas palavras, da autoria de Fernando Lima, o ex-assessor e ex--não-se-sabe-o-quê-durante-os-últimos-seis-anos-de-mandato-presidencial de Cavaco, não são do livro que hoje, quinta-feira, quando escrevo, é lançado, e no qual procederá à denúncia de um imenso puzzle de conspirações, vigilâncias e escutas de que, crê, foi alvo e vítima central, e cujas provas, incluindo comentários anónimos no site do DN e homens de óculos escuros em esplanadas, coligiu nos seis anos em que foi de castigo para o sótão de Belém, sem funções atribuídas.

Não; as palavras citadas são de um texto publicado por Lima em janeiro de 2010 no Expresso, intitulado "A minha verdade", e no qual asseverava ser a notícia do Público, de 18 de agosto de 2009, em que se dava conta de suspeitas da presidência de estar a ser vigiada pelo governo de Sócrates, uma invenção do jornal (fala até de "delírio") a partir de "uma resposta irada ditada pelo absurdo das questões" e transformada em "suspeitas gravíssimas", "numa capa inesperada" que foi "pretexto para fazer explodir a armadilha". A armadilha sendo, explica Lima, a "tentativa de trazer o PR para a liça política" a escassas semanas das legislativas de 27 de setembro de 2009. Exposto como a fonte anónima do "delírio" através da divulgação, pelo DN, a 18 de setembro, de mails trocados entre jornalistas do Público, mails cuja veracidade nega no citado texto ("sem correspondência com a realidade"), o então subordinado de Cavaco enoja-se com o facto de a notícia do DN ser "construída com base numa eventual conversa pessoal obtida pela violação assumida do segredo profissional".

Obrigatório recordar este nojo de Lima, assim como a sua "verdade" de 2010, quando em 2016 revela que o PR lhe deu ordem para a denúncia, ao Público, das "suspeitas de vigilâncias" relacionadas com uma visita à Madeira em 2008 - a "denúncia" narrada nos mails que o DN publicou. Portanto Lima 2016 desmente Lima 2010, viola o segredo profissional e confirma a importância da notícia do DN, ao acusar Cavaco de estar por trás das notícias que saíram no Público e portanto da tentativa de interferir, a coberto de fontes anónimas e insinuações, na "liça política" - e nas eleições. O "delírio" passa a verdade - e a total mentira a célebre comunicação que Cavaco fez ao país sobre o caso.

É repulsiva esta história de vingança, decerto; mas também moral. E o que esta, a moral, diz é que só quem não quis ver não viu que o PR, ao afastar o assessor de funções mas mantê-lo ao serviço estava a calá-lo, e à custa do erário público. É um segredo de Polichinelo, o que Lima trouxe do sótão de Belém - a ver se agora, que está exposto, continua tudo a assobiar para o lado.

Nota: Conheci Lima como diretor do DN, em abril de 2004, quando, vinda de uma publicação do grupo, passei para a redação do jornal com o qual colaborava desde 1998. Não tivemos uma boa relação mas a convivência foi breve: Lima, que entrara no jornal em outubro de 2003, sob protesto da redação, saiu em outubro de 2004.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.