Ao lodo o que é lodo

Cristiano Ronaldo agarrou num microfone do canal de TV do Correio da Manhã e mandou-o para o fundo de um lago. Crime, gritaram o presidente da Comissão da Carteira de Jornalistas e o CM. Este último vai também, fomos ontem informados, processar, por boatos e difamação, "as redes sociais".

Para a empresa que passa a vida a cometer crimes à vista de toda a gente, a difamar e publicar boatos e defende isso como "liberdade de expressão e informação", acusando de tentativa de "pressão", "censura" e "mordaça" quem a critique ou processe, pode afinal haver limites à liberdade de expressão. Ou se calhar acha que calúnia é produto da sua região demarcada. Quanto ao presidente da instância de auto-regulação dos jornalistas, a única com poder para punir quem atenta contra os respetivos deveres, deve ter acordado de coma profundo. Haver pessoas com carteira de jornalista a fotografar e filmar às escondidas, constituindo-se como assistentes em processos para poderem violar o segredo de justiça, a acusar disto e daquilo sem sequer tentar ouvir os acusados, a fazer imputações falsas e devassa da vida íntima, a pedir a constituição de arguidos, a passar áudios de escutas e vídeos de interrogatórios na TV; haver publicações que se especializam na violação de todos os preceitos deontológicos estatuídos na lei do Estatuto de Jornalista, que tem a Comissão da Carteira como instância fiscalizadora; tal nunca suscitou ao seu presidente um ai ou lhe deu motivos para instaurar processos. Arremessar um microfone é que não pode ser: essa parte do Estatuto, a que prevê como crime de "atentado à liberdade de informação", com prisão até dois anos, a apreensão ou dano de "quaisquer materiais necessários ao exercício da atividade jornalística", parece ser a única que a pessoa em causa, de nome Henrique Pires Teixeira, jurista e diretor do jornal regional A Comarca, conhece e valoriza.

Sim, é e deve ser crime atentar à liberdade de informar. O jornalismo é fundamental e deve ser protegido. O jornalismo. É em nome desse princípio, e das normas que regem uma sociedade civilizada, que há pessoas de bem a condenar o que Ronaldo fez. Têm toda a razão: numa sociedade civilizada, os conflitos resolvem-se "nas instâncias próprias". Mas numa sociedade civilizada os tribunais não estão mancomunados com os tablóides ou reféns deles (sabe-se o que sucede a juízes quando decidem em seu desfavor) e as indemnizações não fazem o crime compensar. Numa sociedade civilizada as instâncias de regulação não permitem que uma carteira profissional seja salvo-conduto para cometer crimes. Numa sociedade civilizada os jornalistas demarcam-se da contrafação jornalística. Numa sociedade civilizada, as pessoas de bem unem-se contra o mal.
Não vivemos numa sociedade assim. É isso que o espantosamente sereno gesto de Cristiano Ronaldo, devolvendo o logo da CMTV ao seu habitat natural, nos diz. E que, se nós nos conformamos, ele não. Valente.

(A autora tem um conflito judicial com a empresa do Correio da Manhã)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.