Sem emenda

Para uma avaliação objetiva das opções assumidas no Orçamento da maioria que sustenta o governo convém não esquecer o percurso que fizemos nas últimas décadas. No que tem de positivo e no que tem de negativo.

São muito positivos os progressos que alcançámos na Saúde, na Educação, na Segurança Social, nas infraestruturas em geral, garantindo aos portugueses índices de bem-estar em média ou mesmo acima da média da União Europeia.

Há que lembrar que a esperança média de vida é em Portugal superior à da média da União Europeia e, por exemplo, acima da Alemanha; a mortalidade infantil coloca-nos melhor do que a média da União Europeia, da zona euro e da Alemanha. No sistema de saúde, Portugal ocupa o 14.º lugar em 35 países europeus (Euro Health Consumer Index). Num universo de 138 países, Portugal ocupa a 9.ª posição na qualidade das estradas.

E os progressos não beneficiaram apenas os grandes centros urbanos e o litoral, estendem-se a todo o território, graças, em grande parte, aos autarcas, nem sempre reconhecidos com justiça.

A outra face da moeda é que os progressos não foram conseguidos com a riqueza que produzimos, em grande parte foram financiados com endividamento, do Estado, das empresas e das famílias. No caso do Estado, os défices sistemáticos ao longo destes mais de 40 anos originaram crises que levaram à intervenção do FMI em três vezes, a última das quais com o resgate da troika. A dívida pública atingiu 130% do PIB, o que nos coloca entre os países mais endividados do mundo. Sintomaticamente, o crescimento do PIB acumulado entre 2000 e 2016 está também entre os mais fracos da União Europeia.

Nada disto é novidade. Todos os partidos o sabem. Estamos agora a viver um momento de alívio, com méritos repartidos entre o anterior governo e a sua política de austeridade e o atual, que gerou um ambiente de confiança e beneficiou de um clima económico internacional bem mais favorável e do apoio do BCE. Mas o maior mérito na recuperação pertence aos empresários, que deram a volta, impulsionando as exportações, reestruturando as empresas, inovando tecnologicamente. A economia está a crescer, pelo boom do turismo e o bom desempenho das exportações. Mas cresce ainda insuficientemente, sendo as projeções para os próximos anos de desaceleração.

Precisávamos de crescer, em média, 3% ao ano para diminuir a taxa de desemprego abaixo dos 7%, aumentar os salários reais, preservar o essencial do Estado social, dar sustentabilidade à dívida externa e à dívida pública. Para que isto fosse possível era indispensável atrair investimento estrangeiro e nacional e moderar os gastos públicos. Infelizmente, os indícios apontam em sentido inverso. Com a melhoria das contas públicas, os partidos da atual maioria mostram-se insaciáveis no aumento da despesa pública e encontram sempre fórmulas de exigir mais aos contribuintes. Em vez de aliviarem as empresas estimulando o investimento, revogaram o alívio decidido pela anterior maioria no IRC e agravaram-no para algumas empresas, incluindo a banca, ainda mal refeita dos efeitos da crise. E agora atacam outro setor da economia de que dependem muitas famílias de pequenos rendimentos, os profissionais liberais.

E, talvez o pior de tudo, está criado um ambiente de incerteza na fiscalidade das empresas e dos particulares, de que é exemplo a recente proposta, chumbada na 25.ª hora pelo PS, da taxa sobre as produtoras de energia renovável.

Este caso é paradigmático por dois motivos: quebra a confiança dos investidores ao afetar a rentabilidade de empresas que o próprio Estado vendeu por um preço que teve em conta as condições de exploração existentes à data (caso da EDP) e põe em causa outros investimentos que foram feitos na expectativa da estabilidade do sistema instaurado pelo próprio Estado.

Não gostava de o escrever, mas ainda não será desta que aprendemos as lições do passado e corrigimos os erros que nos têm levado às crises que sempre se sucedem aos bons momentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.