Reduzam o espaço de manobra aos aventureiros, dêmos uma nova oportunidade à diplomacia!

Na sexta-feira, 27 de Novembro de 2020, numa cidade perto da capital Teerão, terroristas assassinaram o Professor Mohsen Fakhrizadeh, um eminente cientista iraniano e chefe da Organização de Investigação e Inovação do Ministério da Defesa da República Islâmica do Irão, em frente à sua família. Prof. Mohsen Fakhrizadeh teve um papel notável em diferentes projectos científicos pacíficos no Irão, e contribuiu para várias iniciativas científicas, incluindo os campos defensivos químico, biológico e nuclear passivo para fins de protecção. O exemplo mais recente dos seus esforços é o desenvolvimento do primeiro kit de teste e vacina indígena contra a COVID-19, que é uma grande contribuição para os nossos esforços nacionais na contenção da pandemia da COVID-19 e na produção da sua vacina, numa altura em que o Irão está sob as sanções injustas e desumanas impostas unilateralmente pelo regime dos Estados Unidos que impedem estritamente o acesso de bens humanitários, incluindo medicamentos e equipamento médico, ao povo iraniano.

Nos últimos anos, vários eminentes cientistas iranianos e heróis nacionais foram alvo e assassinados em diferentes ataques terroristas, e as nossas provas firmes indicam claramente que certos centros estrangeiros têm estado por detrás de tais assassinatos. O recente assassinato do cientista nuclear iraniano sénior tem também a marca clara dos actos cobardes cometidos pelo regime terrorista de Israel, que já assassinou um grande número de elites científicos no Irão e em toda a região.

Porque é que a culpa é dirigida a Israel?

O Ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, logo após o assassinato, escreveu no Twitter que este acto de terror cobarde tem sérios indícios de ter sido concebido e planeado por um regime terrorista e executado por cúmplices criminosos, e demonstra um belicismo desesperado dos perpetradores. Num artigo publicado a 27 de Novembro de 2020, o jornal New York Times revelou que "Um dirigente americano - juntamente com dois outros agentes dos serviços secretos - disseram que Israel estava por detrás do ataque contra o cientista". O artigo afirma ainda que "o Sr. Fakhrizadeh foi durante muito tempo o alvo nº 1 da Mossad, o serviço de inteligência de Israel, que se crê estar há uma década por detrás de uma série de assassinatos de cientistas".

"Lembre-se desse nome, Fakhrizadeh", disse o primeiro-ministro do regime sionista aos repórteres num espectáculo ridículo em 2018, afirmando que tinha acesso a documentos roubados sobre o programa nuclear do Irão. E ainda outro evidente: pouco depois do assassinato, o Presidente dos EUA, Donald Trump, partilhou um tweet do jornalista israelita Yossi Melman, que afirmara que Fakhrizadeh "chefiava (o chamado) programa militar secreto do Irão e era procurado há muitos anos pela Mossad". Por outro lado, a natureza e o método de assassinato que envolveu uma equipa bem treinada de terroristas equipados com espingardas electrónicas e possível apoio por satélite também provaria o envolvimento de um regime terrorista conhecido por levar a cabo operações semelhantes.

Tão óbvio que o Irão atribuiu a culpa a um acto terrorista patrocinado pelo Estado israelita. Embora o terrorismo patrocinado pelo Estado e o terrorismo de Estado tenham raízes antigas, o principal exemplo do terrorismo de Estado moderno é o regime israelita. A raiz do actual regime israelita é o grupo terrorista Haganá, que formou esquadrões de assassinos na década de 1920 na Palestina e se tornou um dos principais ramos paramilitares da Agência Judaica. Esta prática continuou dentro e fora dos Territórios Ocupados após a proclamação de um regime israelita em 1948, que devia a sua existência aos numerosos e violentos assassinatos perpetrados pelo Haganá. Desde a década de 1950 até à década de 1980, os actos terroristas de Estado levados a cabo por Israel concentraram-se principalmente nos países árabes - Iraque, Egipto, Líbano e Síria. Um grande número de cientistas e personalidades árabes foram assassinados nesses países durante este período.

Nas últimas décadas, o foco tem sido o Irão. De acordo com vários relatórios, o regime israelita, nas suas operações dentro do Irão, depende principalmente do culto de terror MEK, mas também de grupos separatistas dentro e fora do Irão. O recente assassinato de Mohsen Fakhrizadeh, cujo papel e importância Benjamin Netanyahu deixou claro no ano passado ao nomeá-lo publicamente, é o mais recente exemplo de terror de um regime cujas sementes foram semeadas pelo assassinato e terrorismo de Estado. O regime israelita nunca hesita em cometer assassinatos imprudentes, como um regime malfeitor que viola consistentemente o direito internacional e as normas civis.

Quais são os principais objectivos deste acto terrorista?

Sem dúvida, o objectivo do recurso do regime israelita a este acto de terrorismo de Estado, para além de prejudicar os avanços científicos e tecnológicos do país, é desestabilizar a região tanto quanto possível em vésperas de mudanças importantes na geopolítica da região. Esta conspiração foi concebida para incitar o caos na região pelo regime sionista, que é o único detentor de armas nucleares no Médio Oriente, e que tentou incessantemente persuadir Washington a abandonar o acordo nuclear entre Teerão e 5+1 em 2018 e a restaurar as sanções mais severas e ilegais contra o povo amante da paz do Irão.

Na verdade, esta tem sido uma política permanente do triângulo de falcões cessantes em Washington, do regime israelita e dos seus poucos aliados na região para se oporem ao desejo da comunidade internacional que recorrem à diplomacia para resolver uma disputa de longa data sobre o programa nuclear pacífico iraniano. Uma tal política destrutiva tem sido constantemente seguida pelo referido bando antes, durante e após a conclusão do Plano de Acção Global Conjunto (JCPOA), também conhecido por acordo com o Irão. Foi a razão da mesma política que, em Maio de 2018, levou à retirada ilegal da administração Trump do acordo nuclear que minou todo o sucesso da diplomacia.

Enquanto o regime dos EUA sob Trump reinstituiu e expandiu ainda mais as sanções mais pesadas contra o Irão após a retirada, este último cumpriu integralmente o JCPOA. Escusado será dizer que as medidas correctivas do Irão em resposta à retirada unilateral dos EUA do JCPOA e subsequente inacção da UE, não tiveram até agora qualquer impacto na monitorização e verificação por parte da AIEA do programa nuclear pacífico do Irão. Contudo, apesar de todas as sanções desumanas, pressões e enredos executados pelo referido triângulo sinistro, o Irão prosseguiu a política de máxima resistência e paciência estratégica, mantendo-se no acordo nuclear moribundo, ao mesmo tempo que recebia zero benefícios económicos. Infelizmente, a Europa permaneceu inactivo e meramente assistiu ao sofrimento do Irão.

Muitos analistas acreditam que com o novo clima criado após as recentes eleições nos EUA, as esperanças de um possível regresso ao JCPOA por parte da nova administração do presidente eleito Joe Biden e a diplomacia podem ter uma nova oportunidade de sobrevivência. Hoje, os patrocinadores da política fracassada de máxima pressão contra a nação iraniana estão a tentar aproveitar os últimos dias do regime de Trump para criar tensão e destruir o clima favorável propenso ao levantamento das sanções cruéis. O horrível assassinato do principal cientista iraniano indica claramente que os inimigos da diplomacia estão a viver estes dias com ansiedade. Estão, portanto, a tentar pôr em perigo qualquer esperança de diplomacia, criando crise e caos na região. O seu principal objectivo é impor as suas próprias condições às novas circunstâncias.

Porque deveria a UE estar realmente preocupada com os actos terroristas?

É neste contexto que um acto de terror tão insensível, como qualquer acto de terrorismo internacional, constitui uma ameaça à paz e à segurança internacionais e uma violação flagrante das regras internacionais e dos princípios morais e humanitários, devendo, por conseguinte, ser condenado nos termos mais veementes. A questão é saber se a Europa está realmente preocupada com uma "escalada (de tensões) que não pode ser do interesse de ninguém", como se reflecte na declaração do porta-voz da sua Acção Externa de 28 de Novembro. Desde a ocorrência deste terrível incidente, muitos países e personalidades responsáveis em todo o mundo, incluindo praticamente todos os países vizinhos do Irão, têm condenado o acto terrorista. Mas surpreendentemente, alguns países que se preocupam com o terrorismo e se preocupam com os direitos humanos preferiram manter o silêncio ou esconder-se atrás de apelos à contenção!

Estes países, a maioria na Europa, devem ser lembrados, de uma vez por todas, que o terrorismo é um fenómeno comum de natureza satânica, não conhece fronteiras, não tem moral, não tem religião, não tem um rosto mau ou bom, e não está limitado a indivíduos ou Estados. É simplesmente, mas horrivelmente, chamado terrorismo. Consequentemente, o terrorismo não é apenas um acto violento ou criminoso, é antes um acto de terror assassino que, antes de mais, deve ser de forma categórica condenado pelos países e pessoas responsáveis. Isto é o mínimo que se espera dos países do mundo livre e civilizado. Os terroristas devem ser desenraizados em vez de apelar à contenção. É pela mesma razão que a referida declaração ou posição da UE tomada por poucos países-membros da mesma sobre o assassinato de cientistas iranianos é fraca, inadequada e decepcionante. O que seria pior do que um assassinato tão brutal, muito provavelmente planeado e conduzido por um Estado terrorista que os países livres do mundo possam considerar como um acto de terror? A história recorda-nos que há um século atrás um simples assassinato na Europa levou à catástrofe da Primeira Guerra Mundial!

Nós, iranianos, acreditamos que a adopção de uma abordagem de dois pesos e duas medidas em relação a países quando se trata da luta contra o terrorismo não só será contraproducente, como também condenará os esforços na luta global contra o terrorismo ao fracasso e acabará por conduzir a mais terreno fértil para o terrorismo. Hoje em dia, os países que se vêem na vanguarda dos direitos humanos e do combate ao terrorismo estão a ser postos à prova que será histórica e decisiva. Devem ser sensíveis à nação iraniana. Mais de 17 mil dos quais perderam a vida devido ao terrorismo, quanto ao porquê do seu silêncio sobre actividades terroristas tão odioso. Devo recordar a estes países que as Nações Unidas, através de numerosas resoluções, condenaram unanimemente todos os actos, métodos e práticas terroristas como sendo criminosos e injustificados, independentemente do lugar e do autor de tais crimes cometidos.

Vamos salvar a diplomacia e dar-lhe uma nova oportunidade

O Irão salienta os seus direitos legais de tomar todas as medidas necessárias para defender o seu povo e assegurar os seus interesses, e reitera que responderá a este assassinato no momento oportuno. Mas acredita firmemente que o que aconteceu na sexta-feira passada em Absard, Irão, e poderia ser repetida sob outras formas nas próximas semanas, tem o potencial de se tornar numa verdadeira crise na região. Na ausência de uma administração responsável, a UE deveria reduzir o espaço de manobra às políticas aventureiras de Pompeo, Netanyahu e Ben Salamn, um triângulo malfadado. Esta é uma mensagem clara do Irão de que para salvar a diplomacia e preservar a paz e a segurança, tanto na Europa como na Ásia Ocidental, a UE tem um papel importante e urgente a desempenhar. É altura de salvar a diplomacia, uma vez que não haverá hipótese de a repetir. O ponto de partida é ser firme e unido contra o terrorismo e o adventurismo.

Embaixador do Irão em Portugal

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG