Novo aeroporto: a nova centralidade geográfica do Montijo

A melhor tradução que o investimento público e privado pode ter numa sociedade é a quantidade e a qualidade de emprego que permite criar e, por consequência, a sua capacidade para gerar riqueza e melhorar as condições de vida das populações.

Coloco o emprego em primeiro lugar porque quase todas as pessoas vivem exclusivamente do rendimento do seu trabalho e, portanto, é também o emprego o foco principal daquilo que queremos que venha a ser o resultado para a região do investimento no novo aeroporto do Montijo.

Neste contexto, sublinho que o aeroporto do Montijo será o maior investimento realizado em território nacional nos últimos cinco anos. Será, certamente, uma infraestrutura ao serviço do interesse comum, um empreendimento de grande importância para o país, para a região e para o Montijo.

Um investimento de coesão do arco ribeirinho sul e que consagra a ambicionada cidade das duas margens.

A Base Aérea do Montijo foi escolhida por ser a opção mais viável do ponto de vista económico e estratégico. Mas não só. Na realidade, existe um argumento histórico muito relevante: o Montijo foi mais de cinco séculos a aldeia galega do Ribatejo, a sede da mala-posta do Sul, que ficou conhecido pelo seu papel de entreposto comercial e de interface no transporte de pessoas e bens para o Sul do país e para Espanha.

O novo aeroporto do Montijo é, portanto, uma oportunidade única para o concelho recuperar essa dimensão económica e social, recentrando a geografia económica do país, de tal forma que permita planear o futuro com base em políticas públicas de desenvolvimento sustentável, de defesa do ambiente, dos recursos naturais e capazes de proporcionarem melhor qualidade de vida para todos, sem exceção.

Para que isso aconteça temos de olhar com rigor para a dimensão da cadeia de valor associada a uma infraestrutura aeroportuária desta natureza e identificarmos todas as oportunidades com potencial de criação de empregos duráveis na região. Entre empregos diretos e indiretos, o novo aeroporto do Montijo deverá mudar de forma significativa, através da fixação de pessoas e de empresas, o panorama da Margem Sul, que ao longo dos anos tem perdido relevância económica e acumulado assimetrias territoriais.

Inverter essa tendência está agora ao nosso alcance. E o aeroporto do Montijo, pela sua localização e pelo seu programa, constituirá, inequivocamente, um instrumento de afirmação da região. É um projeto com implicações profundas sobre o território e sobre o desenvolvimento, com um potencial económico forte, capaz de atrair as famílias e as empresas, tirando partido da proximidade a Lisboa.

Desde a primeira hora, fizemos questão de traçar uma visão para o concelho, a qual queremos que seja a mais consensual, por forma a que todos os montijenses possam tirar o maior partido desta importante infraestrutura. Queremos aproveitar a nova centralidade geográfica para transformarmos a tradição histórica do Montijo num polo de desenvolvimento económico, social e ambiental como mote para a construção de um futuro sustentável.

Presidente da Câmara Municipal do Montijo

Exclusivos