Women in black

Fixemo-nos na imagem: uma plateia quase integralmente vestida de negro. Um protesto que entrava pelos olhos antes de se ouvir os discursos. Um símbolo de união que, como disse a Wonder Woman Gal Gadot na passadeira vermelha, se traduziu em elegância. Ontem à noite, na 75.ª cerimónia dos Globos de Ouro, as mulheres estavam mais fortes do que nunca, contra o assédio sexual. A exceção ao dress code fez-se notar na figura da própria presidente da Hollywood Foreign Press Association, Meher Tatna, que se apresentou no palco com uma indumentária vermelha. Quem não reparasse que, apesar disso, ela estava a usar um pin do movimento Time"s Up poderia ficar baralhado Calma. A razão da escolha teve simplesmente que ver com os rituais da sua cultura indiana, segundo a qual, tratando-se de uma celebração, deveria usar uma cor festiva.

E de facto não foi pelo tom fúnebre dos vestidos que se conduziu a cerimónia. Antes pelo contrário: de Nicole Kidman a Reese Witherspoon, passando por Laura Dern, Elisabeth Moss (todas vencedoras), e ainda pela bela tirada de Natalie Portman na entrega do galardão ao melhor realizador ("E aqui temos os, apenas homens, nomeados"), os discursos de esperança dominaram o encontro. Mas foi Oprah Winfrey quem protagonizou o momento mais alto, ao receber o Prémio Cecil B. DeMille. Com as suas palavras certeiras, que tanto defenderam o trabalho da imprensa nestes tempos complexos como encorajaram as jovens que têm sonhos, ela fez rejubilar a sala inteira.

Por fim, o filme vencedor - Três Cartazes à Beira da Estrada - e a sua protagonista, Frances McDormand, no papel de uma mãe que procura vingança pela violação e a morte da filha, coroaram a noite. E talvez estes prémios mereçam uma reflexão elementar: ainda estamos a falar de cinema ou da atualidade dos seus temas?

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.