Tudo é marketing

Enquanto escrevo estas linhas está Sir Ridley Scott a dirigir Christopher Plummer em Todo o Dinheiro do Mundo, filme sobre o rapto de um dos netos do bilionário Jean Paul Getty. São as famosas cenas de substituição de Kevin Spacey, algo inédito em Hollywood num filme desta escala e com tão pouco tempo antes da estreia - a Sony já enviou um comunicado a reforçar que a estreia para 22 de dezembro se mantém e que há uma "aposta nos Óscares". O impensável está a acontecer: há um ator a ser apagado numa prática do mccarthismo ou do mais vil estalinismo. Só que não, tudo isto é a lei do mercado. É a Sony Pictures a tentar salvar um filme caro. Cedo se percebeu depois dos escândalos sexuais em torno de Spacey que Todo o Dinheiro do Mundo iria ser falado pelo facto de ter Spacey num papel sonante. Cedo se percebeu que Spacey iria matar o filme e, mesmo sem o seu nome no cartaz, haveria protestos contra o estúdio. O mais irónico é que antes disto tudo era a própria Sony que estava a apostar num forcing para Spacey ser nomeado para os prémios de melhor ator secundário. Agora, orgulhosamente, aposto que vai fazer o mesmo com o veterano Plummer que tem nove dias para ganhar um Óscar. E porque o marketing é que triunfa sempre no fim do dia, isto foi o melhor que poderia acontecer a Todo o Dinheiro do Mundo, a partir de agora um potencial sucesso de bilheteiras devido à curiosidade que conseguiu reunir. Não se duvide de que muitos vão pagar o bilhete para matarem o espanto de "como é que eles conseguiram apagar o Spacey?!" Vivemos dias muito tristes.

Antes deste episódio, Todo o Dinheiro do Mundo não estava na pole position da temporada dos prémios, estando muito atrás do buzz de filmes como The Post ou The Shape of Water. Por outro lado, I Love You, Daddy, de Louis C.K., nestas regras de mercado, é que não tem salvação.

crítico

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.