Teófilo: o monumento retirado

Tudo ou quase tudo o que envolve a doutrinação e o estabelecimento institucional da República encontra-se associado à presença e intervenção de Teófilo Braga. Ao desencadear as comemorações do centenário de Camões, em 1880, Teófilo passou a ser uma referência contínua. De tal modo que, em 1910, foi o presidente do Governo Provisório. Quando a revolução do 14 de Maio de 1915 derrubou a ditadura de Pimenta de Castro, houve que restaurar o sistema democrático. Teófilo, uma reserva moral e cultural, ocupou a Presidência da República, num momento histórico.

Natural de São Miguel, aos 18 anos, Teófilo dirigiu-se para Coimbra a fim de cursar Direito, que terminou com distinção. Mas, ao habilitar-se para professor da universidade, foi preterido por outro candidato com ligações privilegiadas. Tentou, em seguida, leccionar na Politécnica do Porto, mas voltou a ser rejeitado. Finalmente concorreu à cátedra de literatura do Curso Superior de Letras. Conseguiu vencer apesar de Pinheiro Chagas ter as maiores protecções políticas e literárias.

Nunca mais regressou à ilha. Correspondeu-se com amigos e fazia questão de assumir as suas origens. Afirmou, de forma categórica, num inquérito: "Sempre me interessou tudo o que pudesse interessar os Açores (…). Tenho orgulho de ser açoriano (…). Nunca reneguei a minha terra, sou ilhéu, nasci nesses rochedos donde irradiou o espírito das autonomias."

Radicou-se em Lisboa desde 1872 e em Lisboa faleceu a 28 de Fevereiro de 1924. Lisboa foi a sua casa e o seu túmulo. Nunca atravessou a fronteira. Homem de extrema sobriedade concentrou-se na paixão do estudo e na paixão da política. Resumiu o quotidiano a pequenos trajectos de rotina, entre a casa na Estrela, a escola onde leccionava, no edifício da Academia das Ciências e na própria Academia da qual foi vice--presidente. Ia a São Bento, para as pesquisas na Torre do Tombo. Alargava os passos ao Chiado para consultas na Biblioteca Nacional e, à Rua do Arsenal, para a tertúlia da Livraria Carrilho Videira, que editava autores republicanos. Andava nos transportes públicos apoiado a um velho chapéu-de- -chuva, mesmo quando era Presidente da República.

A sua obra de investigação e crítica da literatura portuguesa, com largas centenas de títulos, estende-se desde a Idade Média à Questão Coimbrã e, também, inclui o aprofundamento das raízes e tradições do povo português. O ensino representou uma forma de subsistência, enquanto a luta partidária fazia parte de um exercício de militância cívica.

Teófilo faleceu em 28 de Janeiro de 1924. Tal como João de Deus e Guerra Junqueiro, teve honras nacionais, que o sepultaram no Panteão Nacional, ao tempo nos Jerónimos. Em 1925, Alfredo Guisado, poeta do Orpheu, vice- -presidente da câmara municipal, inscreveu-o na toponímia. A rua onde residia, Travessa de Santa Gertrudes, ficou a chamar-se Rua Teófilo Braga. Por iniciativa da câmara municipal, a 16 de Outubro de 1926, era inaugurado, no Jardim da Estrela, um monumento a Teófilo Braga , da autoria de Teixeira Lopes. No livro Ao Correr da Pena. Memórias de Uma Vida, Teixeira Lopes refere que, em 1916, Teófilo posara para o escultor.

Em pleno salazarismo, duro e anti-republicano, o monumento foi retirado do Jardim da Estrela e seguiu para Ponta Delgada. Isto aconteceu na década de 40. Também nesta década, Délio Santos, professor da Faculdade de Letras e deputado salazarista, inviabilizou, mesmo com oposição e escândalo universitário, uma tese de licenciatura acerca de Teófilo apresentada por Mário Soares.

Mantendo, como é evidente, o monumento em Ponta Delgada, impõe-se, contudo, no ano do centenário da República, recolocar Teófilo em Lisboa, que foi a sua outra ilha e o seu cais aberto para implantar a República. Existem diversos moldes de Teixeira Lopes. Haverá, portanto, que proceder à fundição de um dos bustos para o integrar no Jardim da Estrela ou em qualquer outro lugar nobre da cidade. Constitui uma obrigação indeclinável da câmara municipal; é reparar uma injustiça provocada por ódio político.

*Jornalista e olisipógrafo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.