Sempre letras grandes

Se esta coisa de escrever sobre livros não obedecesse a algumas regras - ainda assim, menos do que as aplicadas noutras áreas -, pode o leitor ficar certo de que o espaço ocupado por esta crónica estaria hoje confinado a um rol contínuo de citações, pescadas à linha nestes trabalhos jornalísticos que Herberto Helder (1930-2015) publicou durante a sua passagem por Angola no Notícia - Semanário Ilustrado, nos anos já distantes de 1971 e 1972. Para quem lê aqui, seria só lucro e, seguramente, esse recurso assumiria o papel de uma via rápida para chegar a este livro memorável. Em sentido duplo, pelo menos: desde logo, porque é notável a forma empática, mas sem cedências "populistas", que o homem que conhecemos como poeta maior utiliza para chegar aos seus destinatários de primeira instância; depois, porque este jornalismo parece, todos os dias, afastar-se de nós mais um pouco, sujeito a códigos e interesses, a espartilhos e "normas de conduta" que só contribuem para eclipsar qualquer surpresa e quaisquer hipóteses de boa (e personalizada) escrita e de exposição de ideias fortes.

Ao longo dos textos aqui recuperados, é fácil perceber-se que Herberto Helder consegue congregar técnica e documentação prévia com dois outros valores, mais subjetivos mas nem por isso menos preponderantes: a insaciável curiosidade e a extrema sensibilidade (não, não é "jornalismo de afetos"...) com que aborda assuntos e interlocutores. Só esse conjunto de "munições", passe o belicismo, lhe permite escrever, sem deixar de relatar, sem abdicar de refletir, sobre tantos temas, acrescentando-lhes sempre um ponto. Como quem conta um conto, diz-se. Do episódio de um cidadão português notoriamente burlado por uma empresa alemã aos buracos de Luanda após as chuvas, de uma visita "ilustrada" a um mercado local ao que podemos - e devíamos - aprender com a ausência de filtros das crianças, dos domingos na guerra, mais exatamente em Nambuangongo, às palavras que as marés impõem como pragas às falas públicas e, por inerência, à imprensa (em minúsculas...), o autor não deixa pedra sobre pedra. De resto, quando se ganha a velocidade de cruzeiro neste pequeno volume - que deveria aumentar, como manual, a extensa lista das leituras recomendadas para quem sonha ser jornalista -, um dos mais estimulantes desafios passa a ser a tentativa de adivinhar quais serão o rumo e o âmbito do capítulo imediato.

Herberto Hélder entrevista Nelson Ned, "um homem com um metro de altura", e Carlos do Carmo, numa peça com um alcance e com um recorte que, recordada hoje, espantará até o nosso maior fadista, e não só. Escreve sobre Agustina e sobre Borges ainda sem saber que também lhe estava reservado um lugar entre os eleitos. Ensaia uma descrição hilariante e contundente de um Sporting-Benfica. E não poupa os "pavões" (a expressão é minha, o autor fica assim ilibado) do jornalismo: Enfim, uma citação: "Havia um ar solene, uma sabichice, uma empertigação de quem está com responsabilidades de dizer como é. O que a malta queria, depois de se estatelar um bocado, com um volume de versos ou um livro de contos, era entrar para os jornais. Entrava-se. Começava-se a vestir melhor, ceava-se às vezes no Gambrinus, engordava-se um pouco, aparecia um automóvel que não era exatamente "revoltante". A malta obtemperava acerca do "teatro popular", cinema americano e informática. Alguns mais tolos deslocavam-se com McLuhan debaixo do braço. Os idiotas irrecuperáveis - que viriam a ser "os grandes talentos" - tinham opiniões enormes, nos colóquios, sobre os problemas da educação ou da agricultura industrial."

Tudo dito, menos isto: minúsculas, o caraças. Com Herberto Helder, em escala desejável antes de voltarmos à poesia, as letras são todas grandes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.