Retrato do falhado feliz

Começar o ano com o novo filme de James Franco? Em circunstâncias normais, e sem menosprezar inteiramente a sua diligência como realizador, não seria um bom augúrio. Mas por uma vez, rejubilemos, pois é caso para dizer que este californiano apaixonado por Faulkner finalmente acertou no material cinematográfico! Em todo o caso, não é nada que se relacione com grande literatura Digamos que a maior nobreza de Um Desastre de Artista nasce do mais intrépido desejo de celebrar o cinema. O amor ao cinema. Mesmo, ou sobretudo, se esse enaltecimento não corresponde a uma obra distinguida pelas suas virtudes. Trata-se afinal de uma crónica da rodagem de The Room (2003) - o cult movie colocado no pedestal como o "melhor pior filme de sempre" - sob o signo do mistério do seu realizador, produtor e ator, Tommy Wiseau. Franco também realiza, produz e protagoniza o seu filme, encontrando nas estranhíssimas imperfeições de Wiseau uma porta aberta para o terno retrato de um feliz falhado. A verdade é que, aproveitando a comicidade singular que envolve a personagem real, Franco não pegou nesta história de uma amizade improvável (entre Wiseau e o ator Greg Sestero), que resultou num filme, para sacar dela a caricatura. O que se vê aqui é o genuíno apreço pela resiliência de um homem que estava confiante na qualidade da sua obra, iludido com a ideia de ser talentoso E para todos os efeitos, outras formas de talento se revelaram pelo caminho.

Com o tom certo de diversão e aprumo dramático, Um Desastre de Artista é um digno sucessor do filme sobre o "pior realizador de sempre", Ed Wood (1994), de Tim Burton. É bom ver cinema que homenageia assim a dimensão afetiva da arte. No fim de contas, o que moveu Tommy Wiseau e Edward D. Wood Jr. senão a crença profunda? É isso que nos (co)move também.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.