O valor de comunicar nas telecomunicações

Comunicar pode significar dar a conhecer, divulgar, anunciar, informar, transmitir ou passar algo. Não é uma palavra pouco comum do nosso dia-a-dia, ou algo a que não estejamos a par do seu significado. Ou, pelo menos, para a maioria de nós.

A história não é nova. Em março de 2017, a DECO PROTESTE chamou a atenção para o aumento unilateral do preço dos tarifários praticados pela Altice MEO, pela NOS e pela NOWO. A unilateralidade desta subida nos valores marcou, desde o início, a sua ilegalidade: em qualquer alteração do contrato (e a subida de preços é uma destas alterações), as operadoras são obrigadas a comunicá-las por escrito aos assinantes com 30 dias de antecedência, no mínimo. Aqui, o consumidor ganha o direito de rescindir o contrato, sem encargos, no caso de não estar de acordo com as novas condições propostas pela operadora.

Para quem conhece bem a lei das comunicações eletrónicas - como acreditamos ser o caso das operadoras desta área - as três operadoras ignoraram esta obrigação e surpreenderam os seus assinantes com um aumento de entre 3,4% e 7,4%, em 2016, numa informação que passava despercebida na fatura, na qual não era claro, por vezes, o montante que seria cobrado. Esta falha flagrante na relação entre as operadoras e os assinantes - alvo de reclamações dos consumidores - motivou-nos a reunir com as três operadoras e a denunciar este comportamento à ANACOM. Oito meses depois do primeiro anúncio de aumento unilateral de preços, a entidade reguladora reconheceu os direitos dos consumidores e obrigou as empresas a repetir a comunicação da alteração de preço e a comunicar a possibilidade de rescisão do contrato, ou, em alternativa, a reposição das condições contratuais existentes antes daquelas alterações.

Acreditámos, nesta altura, que a ANACOM deveria ter ido mais longe. Não é suficiente afirmar que o comportamento das três operadoras rompeu a legalidade. Houve consequências nefastas destas ações ilegais e que tiveram um resultado muito prático: os valores ilegalmente cobrados aos consumidores podem chegar aos 60 milhões de euros. Esperava-se que, ao reconhecer a quebra da lei, a ANACOM obrigasse às três operadoras de telecomunicações a devolver o que ilegitimamente haviam cobrado. Ora, nada disto se comunicou.

Depois da nossa ação "Telecomunicações: basta de abusos!" e perante a reação da ANACOM que não contemplou todos os aspetos das ações ilegais, percebemos que devíamos continuar a dar força à voz dos consumidores lesados enquanto a justiça não fosse reposta. A nossa missão a isso nos obriga, não conseguimos ficar indiferentes perante este tipo de abusos Assim, as cobranças ilegais justificaram uma ação judicial movida pela DECO PROTESTE contra a Altice MEO, NOS e NOWO, exigindo a devolução destes valores cobrados na sequência de uma ação já declarada ilegal. A ilegalidade do comportamento não é dissociável da ilegalidade das cobranças praticadas.

É essencial comunicar. É essencial comunicar bem, para que não haja ruído e mensagens mal compreendidas. É essencial comunicar às operadoras que chega de comunicar erradamente.

Responsável pelas Relações Institucionais da DECO PROTESTE

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.