O luar sobrepôs-se à cidade das estrelas

La La Land não foi o ponto final da noite, mas sim a vírgula para um desfecho inesperado e feliz. Uma troca de envelopes, depois justificada por Warren Beatty, que entregou a estatueta, esteve na origem do impasse que antecedeu a legítima vitória: Moonlight. E que bom que foi, no segundo ano consecutivo, percebermos que afinal o guião não estava fechado. Damien Chazelle teve o reconhecimento como realizador - o mais jovem a ganhar nesta categoria -, mas parece que a sua recriação do musical não cegou o intelecto e os sentidos perante outro filme de grande envergadura humana. Este é um triunfo merecido para Moonlight, numa celebração do cinema feita de pluralidade, estendida a todas as categorias.

Na cerimónia em que o ilustre apresentador, Jimmy Kimmel, começou por dizer que o país está dividido, o facto mais notório é que esta foi a mais calorosa entrega de Óscares dos últimos anos, uma verdadeira homenagem aos afetos, assinalada contra o ódio emanado da atual presidência dos Estados Unidos. Não se ouviu muitas as vezes o nome de Trump, porque a subtileza se revelou a mais acutilante das armas. De Mark Rylance ao mexicano Gael Garcia Bernal, passando pelo discurso que foi lido de Asghar Farhadi, ou a mensagem de Sting, esta foi uma noite de um requintado ativismo político.

Com o humor esmerado de Kimmel, por vezes na crista do improviso, o tom memorialista que pontuou a festa, e ainda o fortíssimo elogio à diversidade cultural, eis um ano em que se sente que Hollywood trabalhou bem a música dos Óscares... e se tivesse premiado Isabelle Huppert, ainda melhor soava toda a canção.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.