O dia em que a menina Lopes ganhou a Eurovisão

Se há magia na diáspora portuguesa é que ela se desdobra, e projeta, como um jogo de espelhos. Por vezes desconhecido, ou ignorado. Outras vezes ridicularizado. Contudo, L'Oiseau et l"Enfant carregava uma carga demasiado familiar. O vinil da Polydor entrou-me casa adentro breves meses após a vitória de Myriam Lopes na edição de 1977 da Eurovisão. Filha de portugueses e nascida no Congo Belga, sagrou-se campeã em Londres em vésperas de cumprir 20 anos. Assinava "Marie Myriam", um nome que lhe emprestava um charme bem mais gaulês. Ainda que tudo aquilo fosse notavelmente português. Mais: porque o 25 de Abril havia ocorrido breves três anos antes, sentia-se na lírica um piquinho de qualquer coisa, utópica ou não, sempre indefinível para uma criança de 6 anos. Eu.
No dia em que Salvador Sobral venceu a Eurovisão em Kiev, lembrei-me da Myriam Lopes. E não porque com ela partilho o apelido (dado estatístico pouco relevante, dizem que é o 13.º ou 14.º mais comum em Portugal). Menos ainda porque, tal como ela, as últimas duas décadas da minha vida tenho andado lá fora. Sobretudo porque se em Espanha apostam na épica, nós, um nadinha mais a ocidente, adoramos a poética. Ao que consta, não foi a Myriam quem escreveu a letra. Mas a sua interpretação, com as duas ou três primeiras frases à capela, denota exotismo. Como que enfeitiça. Arrebata. A sua língua materna era o português, chegou a viver quatro anos em Coimbra. E o francês seria, imagino hoje, como que um disfarce sofisticado para o que lhe iria na alma. Naturalmente que também fiquei colado ao meu televisor estónio quando Salvador venceu para Portugal o troféu. Interessante, notei então, aquele olhar melancólico era semelhante ao de Myriam. Quiçá mais afinado. Pouco inédito, porém: jamais poderei esquecer aquela noite de primavera em que, ainda a preto e branco, Portugal conquistou a Eurovisão pela primeira vez.

Jornalista

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.