Mutualismo, porque as pessoas ainda estão em primeiro lugar

Muito foi dito e escrito sobre o grupo Montepio nos últimos anos, e não sobre o seu lado mais favorecido. Abanou a estrutura da Caixa Económica: atiraram-se acusações, mexeram-se nos estatutos, tomaram-se as trincheiras na Assembleia da República, temendo o espetro da injeção de dinheiro dos contribuintes em projetos em risco (o que, como todos sabemos, contrariamente a tantos outros no setor, nunca aconteceu no caso da Associação Mutualista Montepio e da sua Caixa Económica). Mas a Caixa Económica não ruiu: porque se manteve sempre apoiada naquela que constitui a verdadeira base da sua fundação - a Associação Mutualista - e nos valores inabaláveis que serviram de pilares para a construção daquela que é uma das mais antigas associações de Portugal e uma das maiores mutualidades de toda a Europa.

O que lhe dá força e serve de prova dos seus sucessos são os associados do Montepio. O que lhe dá relevância é o garante que está a cumprir o seu compromisso de colocar a economia ao serviço das pessoas, muitas delas (cada vez mais) em situação fragilizada. Na mesma linha do Mutualismo surgiram as Misericórdias Portuguesas, historicamente ligadas à tradição tauromáquica, não só por serem proprietárias de várias praças de touros em Portugal, como também por terem defendido esta atividade aquando da Revolução Liberal, devido ao seu papel essencial no contexto da beneficência. As receitas das atividades tauromáquicas revertiam assim em prol dos membros mais fragilizados da comunidade, servindo de pedra basilar de apoio para milhares de famílias em todo o País.

É precisamente também nesta altura que surge a Associação Mutualista Montepio como pioneira quando, em 1840, começa a dar os primeiros passos na aplicação do Mutualismo em Portugal. Hoje é a referência. Cedo marcou a diferença pela sua visão muito própria e pelo modelo de resposta às necessidades da população, nos domínios da previdência, da valorização das poupanças e da afirmação da Economia Social (sendo que neste último ponto se tem cimentado como um bastião português na área).

O ser humano, iminentemente social, instintivamente procura ajuda na sua comunidade e na sua rede quando encontra um problema. Eis que surge a ideia do mutualismo, da simbiose entre vários indivíduos que, perante necessidade, estabelecem uma relação solidária de entreajuda sólida e recíproca em todos os sentidos possíveis.

Uma comunidade (qualquer que seja) só se constitui e prospera com a partilha do risco e a solidariedade da ação. E é neste aspeto que reside o sucesso da Associação Mutualista Montepio, que se posiciona como uma ponte entre duas margens: o setor solidário e o lucrativo.

Tudo isto ao mesmo tempo que assume parcerias de vários âmbitos com o Estado e com as outras entidades do setor social, sempre tendo como horizonte o desenvolvimento sustentado de uma política de inclusão, aspeto que cada vez mais se revela como instrumento essencial na manutenção da democracia, junto daqueles que são a sua base e devem ser a sua maior preocupação.

Com mais de 600 mil associados, espalhados por todo o País, de Norte a Sul, para muitos portugueses é a primeira (e única!) mão estendida quando estamos a falar de questões tão básicas, como a saúde, a segurança e proteção social, a habitação, o desenvolvimento cultural.

É nesta rede de solidariedade tão única, que as sementes da cidadania consciente, da solidariedade, da inclusão e do humanismo encontram as condições ideais para crescerem e se disseminarem, banhadas pela luz do mutualismo - que a Associação Mutualista Montepio continua a trabalhar com afinco para levar a todo o Portugal.

Diretor de Atividades Tauromáquicas do Campo Pequeno

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.