Marcação CE: afinal o que é europeu (ainda) não é assim tão bom

A marcação CE não significa que o produto foi testado e aprovado pela Comissão Europeia e é, por isso mesmo, uma falsa garantia de segurança para os consumidores. Para que não se leia nesta mais do que na verdade representa, a DECO PROTESTE propõe a remoção da marcação CE dos rótulos dos produtos.

Comprar um produto produzido no Espaço Económico Europeu é sinónimo de qualidade, mas também de controlo e vigilância de todos os processos, materiais e conteúdos destes produtos - não fosse o quadro normativo europeu bastante exigente no que diz respeito a qualidade e segurança. Este é, regra geral, o pensamento dos consumidores europeus. Perante a panóplia de regulamentos e normativas que referem a qualidade de a segurança de produção e desempenho de equipamentos e produtos como prioridade máxima do mercado interno, o consumidor assume que a marca CE lhe garante a fiabilidade do produto. Tal seria no mínimo expectável dos reguladores europeus.

Contudo, a DECO PROTESTE e outras organizações congéneres europeias detetam que nem sempre o mesmo rigor que dita os padrões restritos de qualidade e segurança, rege também a atribuição desta certificação. Concluímos que o processo de atribuição da marcação CE é pouco eficaz.

A DECO PROTESTE entende que na génese do problema se encontra (i) a relativa falta de independência dos avaliadores que atribuem o selo; (ii) uma vigilância do mercado insuficiente; (iii) numa marcação que se destina apenas à avaliação por parte dos reguladores e autoridades inspetoras nacionais, e não à apreciação do consumidor.

Talvez não seja a marcação que esteja a ser mal utilizada, uma vez que efetivamente falamos de produtos produzidos no espaço económico europeu - errada sim é a relação entre a marcação CE e a garantia da segurança e fiabilidade do produto.

Os produtos controlados pela União Europeia recebem este selo de marcação CE para circularem no mercado único, mas não há aqui garantia de que cumpram com o que prometem. Alias os estudos realizados pela DECO PROTESTE confirmam isso mesmo, quando encontram produtos à venda que apesar de terem a marcação CE são perigosos. É preciso informar os consumidores desta desproporcionalidade entre o pendor de uma marcação como esta e o sentido de segurança que lhe atribuímos.

Em virtude desta situação, a DECO PROTESTE e as suas congéneres, em parceria com as associações representantes do setor na Europa, lançaram a campanha #notsogoods e propuseram um desafio corajoso à Comissão Europeia: a remoção por completo desta marcação das informações fornecidas ao consumidor no rótulo do produto. Em simultâneo, devem ser garantidos os procedimentos necessários para comprovar a segurança dos produtos à venda no mercado europeu.

A informação deverá chegar a quem se destina apenas, e não ser um instrumento utilizado como garantia para o consumidor. Estamos a passar uma mensagem errada ao consumidor final que em nada reflete a realidade da mesma. Para além disso, não vemos qualquer utilidade na instrumentalização de um requisito legal.

Deste modo, propomos que a marcação CE seja apenas incluída na informação técnica do produto, ficando assim visível apenas às autoridades nacionais competentes em matéria de segurança e qualidade de produtos de consumo.

A defesa do consumidor sugere também que figure na agenda da Comissão Europeia a análise de mecanismos alternativos que sejam capazes de garantir aos consumidores a segurança dos produtos que adquirem. Só assim poderemos apresentar garantias aos consumidores e permitir que a UE seja o paradigma de regulação em segurança, higiene e qualidade no consumo.

Artigo por Rita Rodrigues, Responsável de Relações Institucionais da DECO PROTESTE

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".