Haja coragem!

O recente artigo do Diário de Noticias assinado por Bernardo Mariano intitulado "Os Dias da Música acabaram" deve ser objeto de uma reflexão profunda. Afirmo, desde já, que concordo com tudo que ali está escrito.

Após 23 anos no Centro Cultural de Belém (17 como Diretor do Centro de Espetáculos e 6 como Vogal do Conselho de Administração) entendi dar um rumo diferente à minha atividade profissional, fechando à chave um passado do qual sinto um enorme orgulho e satisfação.

No entanto, aquele artigo suscitou uma série de questões com as quais estou absolutamente de acordo.
A Festa da Música iniciada em 2000 e dedicada a Bach obteve um sucesso de público e de crítica que superou largamente as nossas expectativas. Pensámos, ingenuamente, que afinal havia uma enorme procura de música erudita e havia, por isso, que oferecer às pessoas aquilo que elas ansiosamente esperavam. Os concertos seguintes esfriaram esta nossa ideia e, rapidamente, se entendeu que afinal a Festa da Música era um fenómeno único que atraía melómanos e neófitos, para além de curiosos.

Por motivos orçamentais (sobretudo), mas também porque se entendeu que existia uma submissão quase absoluta a um programador que não queria, ou não conseguia, entender a realidade nacional quanto a músicos e repertórios, "nacionalizámos" a Festa e criámos os Dias da Música. Louve-se a coragem e a determinação de António Mega Ferreira ao assumir esta rotura.

Com os Dias da Música pretendia-se manter um evento único. Cada edição era subordinada a um tema cuja abrangência permitia apresentar propostas tão distintas que podiam ir desde a música antiga à contemporânea, passando pela clássica, pelo romantismo, pelo fado, jazz, blues, tango...

A duração dos concertos (entre 45 e 60 minutos) determinava a escolha do repertório, não permitindo muitas vezes a audição completa de uma obra, o que feria a sensibilidade dos puristas, mas os Dias da Música não eram pensados exclusivamente para estes, mas para os milhares de pessoas que habitualmente não frequentavam este tipo de oferta.

Os preços dos bilhetes, as pausas entre concertos, as ofertas alternativas gratuitas, as atividades pedagógicas, enfim tudo era pensado para proporcionar um fim de semana diferente. Conseguíamos ter um grande número de concertos, com elevadas taxas de ocupação e com um orçamento sempre cumprido e adequado à situação financeira da Fundação CCB.

Os Dias da Música sempre foram uma Festa onde conviviam diferentes públicos, de todas as idades. Isto era serviço público, era uma obrigação que advinha dos fundamentos da criação desta Instituição.

Em 2018 houve uma proposta inteligente como tema, uma diferenciação nas durações dos concertos, uma abordagem de qualidade nos intérpretes, uma boa ideia geral. Mas não houve Dias da Música. E não houve a coragem de dizer que isto é outra coisa. Se continuarem a aposta neste modelo não lhe chamem Dias da Música.

Haja coragem!

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.