Eu e a Madonna (e a Ivete)

Eu e a Madonna é um título tipo selfie com celebridade.

Só que esta selfie nunca aconteceu. Apesar de ela ser uma rapariga, ou senhora, que vive praticamente no meu bairro, ou num bairro ao pé do meu, ainda não nos cruzámos.

Eu gostava de a encontrar e dizer-lhe, como é costume dizer nestes casos, que aprecio muito o seu trabalho - que conheço e sigo há muito tempo.

Uma vez, uma senhora disse à escritora Agustina Bessa-Luís: "Gosto tanto de si que um dia ainda hei-de de ler um livro seu".

Eu nunca li nenhum livro da Madonna, mas o resto da obra conheço e gosto muito. E sobretudo gosto do que ela revolucionou e representou.

Mas não é da minha vizinha famosa que eu quero falar (escrever). Para falar sobre a Madonna não há em Portugal ninguém melhor que o João Lopes, que escreve nesta edição sobre ela.

Eu quero cronicar sobre o culto da fama, o fascínio da celebridade, a relação do fã com o ídolo, o retrato com o artista enquanto famoso, a famosa selfie.

As selfies com famosos vieram substituir os autógrafos. Uma imagem vale mil rabiscos. E a selfie inclui o emplastro do self, do moi-même ao lado da celebridade, um espelho com reflexo melhorado do je.

Ambos são uma forma fetichista de relação com a celebridade. Um fake de uma intimidade que não aconteceu.
Os famosos vieram substituir os heróis e os deuses da antiguidade, são a sua versão contemporânea no contexto da sociedade do espectáculo.

Tal como havia uma miríade de heróis e deuses na mitologia, há famosos e celebridades para todos os gostos, desde as mega-estrelas inacessíveis aos famosos anónimos dos reality shows do lixo televisivo.

Eu próprio, myself, quando aparecia na televisão a apresentar um programa de debate político que se tornou relativamente popular no nosso bairro português e, vá lá, voilá, nas comunidades onde o canal emitia, eu próprio moi-même me tornei uma pequena e efémera celebridade local, nível 8, no índice de celebridade nacional.

( Índice de Celebridade Nacional, dados do primeiro semestre de 2018 -
Nível 1: Cristiano Ronaldo.
Nível 2: Carreiras, Tony e filhos; Cristina Ferreira; Marcelo e Sócrates, Fernando Mendes quando era mais gordo.
Nível 3: Actores de telenovelas coleção outono/ inverno ou primavera/verão do ano em causa; futebolistas; primeiro-ministro e ministro das finanças; ministro bombo da festa da temporada; you tubers.
Nível 4: velhas glórias vivas, tipo Eunice e Ruy de Carvalho (na verdade, só Eunice e Ruy de Carvalho); comentadores desportivos.
Nível 5: apresentadores das televisões generalistas; políticos envolvidos em pequenos escândalos da temporada; rostos de campanhas de publicidade do momento; mulheres fadistas; cómicos; niltons; comentadores políticos (daqueles que comentam sozinhos).
Nível 6: comentadores políticos (dos debates); políticos e dirigentes em geral envolvidos em grandes escândalos.
Nível 7: génios do trimestre (escritores, actores, realizadores, etc., que ganharam um prémio qualquer em qualquer lado).
Nível 8: tipos que apresentam não sei o quê na televisão (cá estou eu); escritores que dizem que odeiam aparecer.
Nível 9: escritores que querem muito aparecer; e por aí fora...
Dados da Marktest/Universidade Católica/ E mais outra empresa menos conhecida. Ou pelo menos de uma das três. Margem de erro: não muito grande).

Estou, portanto, na categoria 8 a resvalar para a 9. A passar do tipo que é abordado na rua do género: "Eu conheço-o, o senhor é da televisão. Não apresentava aquela coisa da má-língua ou lá o que era?... o Eixo? Ah, és o Zink, não é?"
Para o que é abordado tipo: "Eu conheço-te. Tu não és dos Olivais?"

É muito divertida a fama vista de fora.

A relação de uma pessoa com uma celebridade acaba por ser sempre como a relação que uma criança tem com um desenho animado que faz parte do seu imaginário e das suas histórias de faz de conta. O encontro com a celebridade é o momento em que cumprimentamos o Rato Mickey.

Esses momentos são sempre emocionantes para os fãs e admiradores. Mas vice-versa não. Não para o Rato Mickey.

Como trabalho em televisão e na área da cultura há muitos anos, tive a oportunidade de me cruzar com muitos Ratos Mickey. Tenho uma coleção de encontros com famosos de todo o tipo. E para cada encontro, se não tenho uma selfie, que não é tanto o meu território ou a minha cena, tenho um pequeno episódio anedótico para contar.

Um dos meus encontros favoritos aconteceu já há uns anos. Tinha ido com uns amigos, depois de um concerto do Caetano Veloso, aos bastidores cumprimentar e venerar o Caetano e reencontrar o Jacques Morelenbaum, enorme músico e director musical daquele concerto, que noutra ocasião tinha conhecido.

Tínhamos combinado jantar depois do concerto e fomos no meu carro. Comigo, para além do Jacques, ia o Davi Moraes, guitarrista do Caetano e a sua namorada, Ivete.

No restaurante eu fiquei mesmo à frente dela e para começo de conversa perguntei: "Então e você faz o quê, Ivete?"

E de repente fez-se um silêncio na mesa. Depois dessa pausa estranha ela respondeu: "Eu canto, né?!".

Nesse preciso momento, eu, que me considero um muito razoável conhecedor de música brasileira, percebi que tinha feito aquela pergunta à Ivete Sangalo. Provavelmente, à época e hoje ainda, a cantora mais popular do Brasil.

Sobrevivi para contar. E já contei tantas vezes esta história que, por causa dela, estou a ficar famoso. Qualquer dia querem tirar selfies comigo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".