EMIS (comissão parlamentar de inquérito ao Dieselgate): balanço e lições para o futuro

Após um ano de trabalho intenso, são hoje votadas no plenário de Estrasburgo as conclusões da Comissão de Inquérito do Parlamento Europeu à medição de emissões no setor automóvel (EMIS) criada na sequência do escândalo Dieselgate.

As questões de partida eram claras. Como foi possível ter sido uma agência norte-americana a primeira a descobrir as manipulações de uma marca europeia sem que nenhuma das agências nacionais tivesse dado por isso primeiro? Teria havido encobrimento destas práticas manipuladoras por parte das autoridades nacionais ou até da própria Comissão Europeia? Que lições retirar para evitar repetir os mesmos erros no futuro?

Os poderes de inquirição da Comissão revelaram-se limitados face aos desafios. Uma primeira lição para o futuro em relação ao funcionamento das comissões de inquérito com este perfil. Alguns dos chamados a inquirir resistiram a comparecer (embora tenham acabado por fazê-lo) e muitos refugiaram-se na existência de processos judiciais em curso para limitarem as respostas. Os tempos de inquirição e a metodologia de consulta documental também se revelaram pouco adequados.

Estes contratempos processuais levaram-nos, de forma paralela e complementar, a explorar outras vias, nomeadamente através de várias cartas dirigidas à Comissão Europeia, onde entre outros temas procurámos obter resposta sobre por que não são os consumidores europeus ressarcidos da mesma forma do que os americanos.1 Além disso, numa missão ao Centro Comum de Investigação (CCI), foi também possível testemunhar que este dispõe da última geração de tecnologia para medir emissões não só em laboratório como em estrada.

Ao analisarmos os documentos deparámos com os primeiros indícios de camuflagem em notas de rodapé de relatórios técnicos da Comissão. Em relação a 2014 eram gritantes os contrastes entre os resultados de diminuição de emissões reportados pela Agência Europeia do Ambiente e o volume de emissões de dióxido de nitrogénio produzido pela combustão dos veículos. Nem o facto da má qualidade do ar gerar 400 mil mortes prematuras por ano nem dos Estados membros serem condenados a multas para pagar pelo excesso deste tipo emissões induziu diligências adequadas para as evitar.

Algumas marcas de automóveis aproveitaram as lacunas e isenções para evitar o cumprimento das leis de poluição da UE. Nos casos em que houve manipulação, os fabricantes ajustaram as condições dos automóveis para garantir os limites de emissão impostos pela UE alegando a necessidade de proteger a integridade dos motores. Várias inquirições a peritos da área vieram confirmar que tal não era necessário. Ninguém supervisionou a utilização destes dispositivos manipuladores.

A comissão de inquérito tornou evidente a falta de vontade política da Comissão Europeia em alargar o mandato do Centro Comum de Recursos para poder investigar os factos ocorridos, sobretudo após a evidência dos primeiros indícios. Também evidenciou a letargia dos Estados membros na avaliação de um sistema de verificações das emissões que está construído de forma a instigar uma corrida aos fornecedores mais rápidos e baratos.

A comissão de inquérito que agora encerra o seu trabalho valeu a pena, por tudo o que revelou e sobretudo pelas mudanças que vai induzir no futuro. A Comissão Europeia está em vias de propor um novo sistema de homologação e novos limites para emissões em veículos. Ao mesmo tempo é hoje claro que a mobilidade elétrica será o futuro sobretudo em percursos urbanos. Foi dado um passo importante para desenvolver um setor automóvel europeu mais competitivo, confiável, amigo do ambiente e capaz de dar um contributo positivo para a qualidade de vida das pessoas e para a sustentabilidade do planeta.

1 Carta enviada a 6/9

Carlos Zorrinho é eurodeputado e membro efetivo da Comissão EMIS

Margarida Matias é assistente parlamentar

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.