Diário de um luto

A linha que separa a dor pessoal da crise de uma sociedade pode ser muito ténue. Vivemos tempos em que a representação da primeira está muitas vezes ligada à segunda. E essa proximidade não escapa ao cinema que se propõe olhar o coletivo a partir dos traumas individuais. Vejamos, o que resta a uma mulher quando lhe matam o marido (de origem turca) e a sua única criança? Mais especificamente: quando neonazis colocam uma bomba à porta da loja da sua família por razões xenófobas? É a partir desta mágoa dilacerante que se ergue o filme de Fatih Akin Uma Mulher não Chora, um retrato íntimo mas também social de uma Alemanha com feridas ainda muito abertas
No epicentro dramático está Diane Kruger (premiada em Cannes), atriz de origem alemã que tem aqui, pela primeira vez, um papel num filme alemão. Ela é, para além do rosto da tragédia, a mulher que procura assegurar a única coisa que, não diminuindo a dor, lhe pode dar alguma esperança de vida: justiça. Observando essa batalha com a frieza necessária, Fatih Akin vai focar-se sobretudo no modo como a protagonista experiencia a ausência dos que mais amava. Esse dia-a-dia impossível e miserável. Por outras palavras - roubadas a um livro de Roland Barthes -, Akin dedica o filme a avaliar "o grau de intensidade de um luto". Aí reside a força do retrato psicológico assegurado por uma atriz que assume para si toda a verdade daquela situação, e que a câmara segue com empatia e um discreto amor. O desespero que se reflete nos olhos amargamente azuis de Kruger é o vigor da mais profunda solidão. Como também escreve Barthes nesse Diário de Luto, um sentimento de "não ter ninguém em casa a quem se possa dizer: volto a tais horas ou a quem poder telefonar (dizer): cá estou, já voltei". Quando esta mulher voltou, a família já não estava.

Crítica

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.