Confronte e mostre os excessos

Yusuf Hamied, Presidente dos Laboratórios Cipla, de Mumbai, convocou uma conferência de imprensa em Londres para anunciar que o "seu" produto para a SIDA seria vendido por $350 a dose anual. Choveram protestos e gritos de raiva das multinacionais, porque a Cipla "não fazia investigação", etc. Na altura, em Setembro de 2000, a Bristol-Myers Squibb e GlaxoSmitKline vendiam o "seu" produto para a sida, por cerca de $10.000 a dose anual (Cfr. Fortune, 25 de Junho de 2001, pg 21) e outros a preços próximos. Foi este desafio que manifestou o exagero de preços, explorando o doente.

E pôs em destaque a maturidade e perícia das farmacêuticas indianas em produzir biosimilares e genéricos a preços ínfimos e com qualidade. Se nada valessem os produtos Cipla, ninguém protestava. Quase todos os produtos indianos, hoje, têm aprovação da FDA-Food and Drug Administration, norte-americana.

Para os países pobres, sem sistemas nacionais de saúde, nem remédios subsidiados, e para estratos pobres de países ricos, foi um alívio, pois os preços das multinacionais eram totalmente proibitivos!

Os resultados daquele confronto estão à vista: os países ricos consomem grande quantidade de genéricos produzidos por dezenas ou centenas de farmacêuticas indianas, ou estrangeiras instaladas na Índia, particularmente em Goa. E os países pobres fizeram da Índia a "sua farmácia".

A indústria farmacêutica indiana. Genéricos e Inovações.

A indústria farmacêutica levou tempo a crescer. Mas tinha de fazê-lo, pois a profunda pobreza e miséria resultante da colonização inglesa e do "socialismo indiano" pós-independência, não permitiam pagar os remédios importados ou fabricados por laboratórios estrangeiros. O processo de produção foi-se desenvolvendo, com passos pequenos, primeiro, e de gigante, depois, ganhando confiança, isolando e fabricando os "princípios ativos" dos diferentes fármacos. Nos tempos mais recentes, quando a indústria farmacêutica indiana já está a marcar uma posição relevante, a FDA, norte-americana, teve um papel de relevo, tanto pedagógico, como de "garantia", certificando laboratórios e muitos dos seus genéricos, desenvolvidos, testados e aprovados. A certificação significa que o produto segue com rigor os procedimentos estabelecidos e pode ser vendido nos EUA. Isso é como um passaporte de circulação pelo mundo, podendo o cidadão aceder a bons fármacos a baixos preços.

Os fármacos indianos tiveram entrada rápida nos mercados pobres e, logo a seguir, nos ricos, sem comparticipações, pois a marca não acrescenta qualidades curativas. Quando um snobismo ainda prevalecia na Europa, a obrigação de informar, com o produto receitado, os diferentes genéricos do princípio ativo, e os respetivos preços de venda, fez acelerar a entrada de genéricos também na Europa.

Se o remédio não é acessível, para que serve?

Hamied foi o expoente dessa transformação, enfrentando as poderosas multinacionais que ditavam as sua leis e os preços, sem atenção ao doente e à possibilidade de adquirir o remédio.

A escolha da SIDA para o confronto com as multinacionais foi bem pensada e com impacte. Talvez, recordando Gandhi, ao desafiar os ingleses contra o imposto do sal que os indianos tinham de pagar ao colonizador, um ultraje que juntou os indianos em bloco na "marcha do sal", engrosssando-a dia a dia, e levando os ingleses a atuar desesperados, com violência. Foi a machadada final que retirou a autoridade e pô-los "fora do jogo", perante a iniquidade do imposto; da mesma forma que era o custo imoral do remédio para a SIDA.

Uma ideia secundária, mas importante, foi veiculada por Hamied: as multinacionais, vendiam 3 produtos diferentes para a sida, os 3 necessários, que o doente deveria tomar cada dia; as farmacêuticas ganhavam mais, assim. Hamied estudou a forma de pôr os 3 num só, não descurando a estabilidade e segurança na toma; com cada um deles na quantidade pré-fixada. Contribuía, assim, para reduzir o custo total e facilitava a toma dos três ingredientes na proporção correcta.

Com o passar dos tempos, o preço de $350 foi-se reduzindo - com o aumento de consumidores, que agora tinham acesso a ele -, para cerca de $0,20 por dia. Quando o custo unitário cai, há mais necessitados que podem comprá-lo. As farmacêuticas, apesar de terem uma margem de lucro menor, por utente, recompõem o valor total do lucro com um maior número de utilizadores. É a economia de escala...

Hamied estudou em Bombaim, no St Xavier College e fez o doutoramento no Christ"s College, Cambridge. Neste, criou-se em 2009 o Yusuf Hamied Centre onde se descerrou retrato seu em bronze, feito por um colega do Christ"s College. Dado o esforço por proporcionar remédios a todos, independentemente da riqueza, Hamied ficou conhecido como o Robin Hood moderno. Ele afirmou "não querer fazer dinheiro à custa das doenças que destroem a sociedade".

Em Setembro de 2011, quando deixou de ser Chairman da Cipla, fundada pelo seu Pai, o New York Times elogiou o modo como tentava reduzir radicalmente os custos dos remédios biotecnológicos para o cancro, diabetes e outras doenças não transmissíveis. O Dr. Yusuf K. Hamied, "eletrificou a comunidade global da saúde, há dez anos, quando disse que podia produzir o remédio para a sida por $1 por dia, infima fração do preço praticado pelas multinacionais. O seu preço foi mais tarde caindo para $0,20 por dia, possibilitando a mais de 6 milhões de doentes tomar o remédio, quando em 2001 mal alcançaria 2.000".

O seu papel no tratamento massivo da sida em Africa ficou patente no documentário Fire in the Blood (2013), elucidativo da luta para dispor de fármacos para salvar vidas, sem pensar nos lucros.

Professor da AESE-Business School; do IIM-Rohtak e dirigente da AAPI

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.