Comédia do desassossego

Dizer que os alemães não têm humor é uma ideia feita. Mas não é daqueles estereótipos completamente infundados, que provoca aguerridas defesas do contrário. Marlene Dietrich, mítica atriz germânica, admitiu-o na sua autobiografia: "O humor não é um traço típico alemão. Por natureza, somos mais propensos à solenidade." Claro que, depois de confirmar a noção geral, Dietrich fala das exceções. Do mesmo modo, Toni Erdmann, da alemã Maren Ade, que se estreou em Portugal na quinta-feira bafejado pela crítica internacional, e nomeado para o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro, trabalha a exceção. Para sermos precisos, trata-se de um tal desvio à regra que o próprio protagonista é olhado pelas outras personagens com enorme estranheza. Winfried (Peter Simonischek) é um professor de música reformado e divorciado - por isso, solitário - com reduzida audiência para as suas brincadeiras espontâneas, que incluem a criação de bizarros alter ego. Após a morte do seu mais fiel espectador, o cão, decide usar o humor para reaver algo que ficou no passado: a relação com a filha, Ines (Sandra Hüller), que agora é uma mulher executiva, solteira e endurecida pelo estatuto empresarial. Toni Erdmann surge então como o alter ego que a perseguirá em Bucareste, onde decorre um complexo negócio, infiltrando-se nos contextos públicos: é a verdadeira comédia de embaraços. E é, de facto, com desconforto que também nós assistimos às performances daquele homem. Isto porque as melhores são necessariamente as mais tristes. O humor veicula o melodrama, assinalando uma camada profunda, a que acedemos pelo incómodo... Será a transfiguração das emoções uma definição possível do humor alemão? Anunciado o remake com Jack Nicholson, e apesar dele, o certo é que não terá o efeito dramático genuíno desta produção germânica.

*Crítica de Cinema

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.