Cannes, Estoril, Cannes

Estive com David Lynch três vezes em circunstâncias mais ou menos surreais. Com Lynch, a palavra surreal é uma adenda redundante. A primeira vez foi numa entrevista em 2001 no Hotel Carlton de Cannes, durante o festival, por alturas do lançamento de Mulholland Drive. Uma conversa fascinante toda ela em moldes de enigmas e advinhas. O cinema não se explica, não se cansava ele de dizer. O mistério é feito por nós. E Lynch, sempre com um sorriso gentil, divertia-se com a perplexidade de alguma imprensa do festival (mal imaginavam certos críticos que, uns anos depois, o seu cinema iria desembocar no experimentalismo radical de Inland Empire). Impossível não reparar na forma como o génio se expressava, jogando muito com as mãos, com os dedos... Há 11 anos, o segundo encontro, quando fui convidado para moderar com Paulo Branco uma conversa em forma de masterclass no primeiro Estoril Film Festival (agora Lisbon & Sintra Film Festival), no Centro de Congressos do Estoril. Uma palestra onde se percebia o culto imenso dos portugueses pelo criador de Twin Peaks. A sala estava a abarrotar e a química com o público era total. Lembro-me perfeitamente que nessa altura estava apenas interessado em falar e promover os prazeres da meditação transcendental. Lynch apostou na conversa mística, mas esteve sempre divertido e a pedir cafés. A sua presença em Portugal não chegou às 24 horas e durante todo esse tempo nunca comeu, apenas quis fumar e recorrer à cafeína, tendo ainda tempo para uma cerimónia musical com meditação num ermo no Estoril. Por fim, neste domingo, no jantar do encerramento do Festival de Cannes voltei a cruzar-me com ele. Voltei a perceber que tem uma aura. E o seu mistério traz simpatia, não sendo por acaso que depois de Will Smith era a celebridade mais solicitada para selfies. Lynch também sabe ser pop star.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).