Apupos, ovações e silêncio

Os jornalistas acreditados para o Festival de Cannes não têm direito a poder ver os filmes na sessão de gala oficial. Mas quem perder a sessão para a imprensa pode sempre tentar o impossível: pedir ao protocolo um convite que tenha sobrado. Pois bem, este jornalista perdeu a sessão de The Meyerowitz Stories , de Noah Baumbach, o segundo filme Netflix em competição, e tentou o tal bilhete que obriga à subida da escadaria. A isso e ao uso obrigatório do smoking. E, à última da hora, sorte inexplicável, chamam-me do protocolo e lá tinha bilhete. Um bilhete de algum VIP que se esqueceu de o levantar. O lugar era precisamente na fila nobre dos convidados, duas cadeiras ao lado de Julianne Moore, amiga de Baumbach, e à beira do lugar onde as estrelas do filme iriam estar (Dustin Hoffman, Ben Stiller, Adam Sandler e Emma Thompson). Ver um filme com o cerimonial religioso de Cannes é uma outra experiência. Sobra sempre aquela sensação de acontecimento. Percebemos também que os grandes nomes também tremem. Percebi de perto o nervosismo de Greta Gerwig, a atriz que é companheira do realizador e a tremideira de Sandler. No final, ovação. Palmas sentidas mas nada verdadeiramente eufórico, exceto quando a câmara da sala Lumière apontou em relação ao rosto comovido de Dustin Hoffman. Aí, sim, a sala veio abaixo. 10 minutos de aplausos histéricos e muitos "bravôs" pelo meio. Mais do que o aplauso à sua interpretação, os três mil espectadores estavam a aplaudir toda uma carreira. As lágrimas de Hoffman contagiaram todos aqueles VIP. Mas na manhã seguinte os apupos voltaram em força na sessão de imprensa de The Killing of a Sacred Dear, de Yorgos Lanthimos, e, no caso de Happy End, de Haneke, um silêncio perfurante. Mas o que valem os assobios em Cannes quando Crash, de Cronenberg, há duas décadas, era monumentalmente vaiado?

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).