Alimentação Sustentável

A procura por um estilo de vida mais saudável está a determinar as regras do mercado alimentar e as espectativas da alimentação do futuro. Sabendo que escolhas irresponsáveis na alimentação têm um impacto negativo no tempo de vida e na qualidade desse tempo de vida, sabendo também que a capacidade de garantir a alimentação digna da população mundial que cresce exponencialmente é urgente identificar formas de sensibilizar e capacitar os consumidores uma alimentação saudável, e sustentável, o que significa uma maior preocupação com o impacto ambiental, económico e social das escolhas alimentares.

A certificação dos produtos e produtores tem-se apresentado como uma grande resposta por parte do mercado. No caso do Lidl, esta preocupação é uma realidade muito presente, com 100% dos fornecedores e produtores de frutas e legumes certificados pela GLOBALG.A.P; com a totalidade da oferta Deluxe e Favorina com Cacau UTZ, e com uma aposta pioneira da totalidade de oferta de bacalhau com certificação MSC.

Os millennials, também estão a exercer uma elevada pressão nos hábitos de consumo, o que se está a refletir na estratégia de venda das empresas. As preocupações com o bem estar animal estão aqui muito presentes, e neste campo o Lidl tem sido pioneiro com a abolição da venda de ovos de galinhas criadas em gaiolas, e com a sua utilização exclusiva nas refeições de marca própria que necessitem deste produto.

A tecnologia tem também vindo a acompanhar esta nova realidade com a criação de aplicações para smartphone que ajudam nesta procura por uma vida mais saudável. Virado para um público infantil, a app My Lidl Shop permite consciencializar as crianças da importância de uma compra cuidada dos produtos, da importância do seu estado de conservação e da sua adaptabilidade aos diversos tipos de clientes.

O segmento do retalho alimentar está atento a um consumidor informado, que pede respostas aos produtores agroalimentares e ao retalho. A aposta em artigos provenientes de produtores nacionais, ou a venda de produtos sazonais, é uma garantia de maior frescura, qualidade e menor impacto ambiental devido à proximidade das deslocações. Atualmente 50% do sortido fixo do Lidl é de fornecedores nacionais, com 100% da carne Jaruco e 70% da oferta de frutas e legumes de origem portuguesa.

Por fim o combate ao desperdício alimentar, é da maior importância. É o caso da adoção de medidas como a doação dos excedentes alimentares, no caso Lidl através do seu programa Realimenta, e da ativação de diversas medidas que visam aumentar o tempo de vida do produto.

Acreditamos que o grande desafio está em prosseguir com o trabalho de sensibilização para a necessidade de uma sociedade consciente e conhecedora da sua capacidade de intervenção com escolhas responsáveis em prol da sustentabilidade alimentar e de estilos de vida saudáveis.

Diretora de Comunicação Corporativa do LIDL

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.