Alimentação do Futuro. Os desafios do presente

8,6 mil milhões em 2030. 9,8 mil milhões em 2050. 11,2 mil milhões em 2100 e um crescimento de quase 50% em relação ao presente. Estes são os números que expressam a evolução populacional, de acordo com as previsões da Organização das Nações Unidas no relatório "Perspetivas da População Mundial: A Revisão de 2017". Mas, na verdade, são mais do que números. São desafios.

Desafios a vários níveis a pessoas e instituições - governos, empresas e entidades públicas e privadas - teremos de ser capazes de dar respostas. Não se tratam, no entanto, de desafios do futuro, mas do presente, em prol de um desenvolvimento equilibrado e sustentável.

Perfeitamente identificada na resolução da ONU "Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável", a Alimentação é uma das mais importantes áreas para as quais urgem soluções. Isto porque é certo que a procura alimentar vai continuar a aumentar e, de acordo com a FAO, até 2050 a produção mundial de alimentos terá de crescer 60%, em resultado dos contextos e condições de produção e, até mesmo, os hábitos de consumo.

E que metas define a ONU para este ponto? Com a sustentabilidade e adaptabilidade como pano de fundo, destacamos aqui algumas: implementar práticas agrícolas resilientes que aumentem a produtividade; aumentar o investimento, inclusive através do reforço da cooperação internacional, nas infraestruturas rurais, investigação e extensão de serviços agrícolas; corrigir e prevenir as restrições ao comércio e distorções nos mercados agrícolas mundiais; adotar medidas para garantir o funcionamento adequado dos mercados de matérias-primas agrícolas e seus derivados; facilitar o acesso oportuno à informação sobre o mercado.

Estes são, em suma, objetivos que coincidem com as práticas desde sempre defendidas e aplicadas pelo setor do retalho e distribuição em Portugal: fomentar a inovação e a partilha de conhecimento, apostar na cooperação entre toda a cadeia de valor e reforçar a sensibilização de todos os seus parceiros e consumidores para a necessidade de alteração de comportamentos.

A APED e os seus associados sabem, portanto, que têm um papel relevante nas respostas às necessidades atuais no campo da alimentação. De tal forma que o empenho do setor nesta área já se traduz em iniciativas e ações a diversos níveis.

Manifesta-se na aposta da utilização da tecnologia e na investigação para melhor perceber a dinâmica da procura e os perfis de consumidor, cujos hábitos de alimentares tendem a sofrer grandes mutações.

Expressa-se na aplicação de estratégias de mercado assentes nos modelos de comércio de proximidade, na preferência pelos produtos e produtores locais e com forte promoção da Portugalidade.

Traduz-se no compromisso com a gestão eficaz de bens alimentares, desde a operação logística, ao armazenamento, ao rigoroso planeamento de compras, à comercialização e a planos de combate ao desperdício alimentar.

Espelha-se no reforço da qualidade e segurança alimentar, seja através do cumprimento das regras e normas definidas pela legislação vigente, seja pela aplicação de medidas voluntárias e pioneiras nesta matéria.

E traduz-se também na cooperação e estreita colaboração com os parceiros na cadeia de abastecimento, na participação em plataformas de diálogo entre os diferentes players, na integração em fóruns interprofissionais e no apoio a projetos, ações e iniciativas que promovam o debate, com o objetivo de melhorar processos e encontrar soluções para a sustentabilidade do setor alimentar.

O Food & Nutrition Awards é um excelente exemplo de tipo de iniciativas em que a APED participa, representando um setor inovador, dinâmico e pioneiro que está preparado e disponível para colaborar e contribuir ainda mais e de melhor forma para o desenvolvimento sólido do futuro da Alimentação.

Diretora-geral Adjunta da APED

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.