A sombra do caçador

Não é todos os dias que o cinema de traço social nos remete para os clássicos. E, no entanto, esse cinema não foi inventado ontem. A obra de D. W. Griffith (1875-1948) - o mestre que atribuiu à Sétima Arte uma linguagem narrativa, por influência da literatura de Charles Dickens - está repleta de consciência e retrato social. E o que dizer de Chaplin? Não há aqui espaço para a quantidade de exemplos. De facto, as mágoas humanas, dentro e fora do ambiente doméstico, sempre foram retratadas no grande ecrã. Leva-nos a esse discernimento o filme Custódia Partilhada, de Xavier Legrand. Não tanto no sentido amplo que acabei de expor, mas na memória muito específica de A Sombra do Caçador (1955), de Charles Laughton, esse magnífico clássico. Sem que haja uma evidente afinidade narrativa entre as duas longas-metragens, há contudo uma ideia que as liga como fotografia e negativo: Denis Menochet, o pai que no filme de Legrand procura obsessivamente retomar o lugar do chefe de família, perseguindo a mulher, é a cara chapada de Robert Mitchum, que no filme de Laughton persegue duas crianças como o papão de um conto infantil. Onde Legrand carrega no realismo, Laughton trabalhou de forma exímia cenários, luzes, sombras e música. E mesmo nesta dicotomia visual e atmosférica há uma irresistível possibilidade de comparação. Laughton impulsiona-nos para o drama daquelas corajosas e doces criaturas, que a velha Lillian Gish protegerá de caçadeira na mão. Também Legrand, centrado na turbulência dramática da criança do seu Custódia Partilhada, oferece um olhar que a protege, que a vigia de noite. A sombra deste pai caçador está sempre presente, mas tal como se canta no filme de Laughton - Hush, Little One, Hush... - o realizador só quer garantir uma noite descansada à(s) alma(s) mais pura(s).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.