A história mais difícil

Por uma vez, tudo o que pensamos sobre o abuso sexual de menores poderá ser posto em causa, levando por diante a decisão de ler até ao fim esta primeira obra de uma jovem escritora (nascida em Catânia, na Sicília, há menos de 30 anos). Tal não acontece porque a autora vise desculpabilizar o comportamento dos adultos, Giorgio e Silvia, pai e mãe de Maria, perante a criança - se um se lança em jogos hediondos e repulsivos com uma inocente que, ao menos de início, parece procurar apenas proteção e carinho, a outra torna-se seguramente responsável pelo pecado de fechar os olhos e de ignorar todos os sintomas de que algo de anormal se passa entre o marido e a filha. A questão que Anna Giurickovic Dato levanta, numa trama entrecortada de momentos felizes e de ocasiões dramáticas, é muito mais perturbadora - porque, recusando maniqueísmos, mundos a "preto e branco", ela acaba por conferir a Maria, que vemos passar de menina a peculiar pré-adolescente, uma personalidade que nos confunde, nos agita e, sinceramente, nos assusta. Porque, terminada em desastre a primeira experiência com o pai, misteriosamente morto, ela aparece munida de uma capacidade sedutora, de um conhecimento de práticas de tentação, de uma intuição muito avançada para a sua idade, que desconcerta e "desregula" Antonio, o novo namorado da mãe.

A autora é também perversa, à sua maneira. Porque, em primeira instância, nos apresenta uma família que, à superfície, não parece disfuncional, que não passa necessidades, que não revela antecedentes suspeitos, que não se enquadra nos chamados "perfis de risco" que associamos de imediato à pedofilia. Os dois cenários distintos em que tudo vai sucedendo, Roma e Rabat, são desenhados de forma simpática e atraente para o leitor - até que os episódios de desvario e de aberração nos atropelam, literalmente. Há um lugar-comum de enorme utilidade: o propósito de nos recordar aquilo que tantas vezes preferimos esquecer e que se prende com a transversalidade destes acontecimentos repulsivos - neste tipo de violência (como noutros), não há classes nem fronteiras, mas sim perfis psicológicos que acabam por se revelar disseminados por todo o corpo social. A diferença mora, como já se disse, no progressivo esbatimento da inocência da vítima inicial, que deriva, porventura em função das circunstâncias, para um papel claramente agressor e perigoso para todos os que a rodeiam.

Daqui resulta um livro que é uma autêntica bofetada sem luva, um alerta angustiante que só por comodidade podemos remeter, sem uma reflexão aflita, para o puro domínio da ficção. Por uma vez, damos de caras com uma narrativa, carregada de viagens no tempo e no espaço, capaz de dispensar uma linguagem mais carregada (outro truque ou, se preferirem, outro trunfo da escritora) para desenhar o horror, em que os secundários (por exemplo, a amorosa avó de Maria) se tornam cúmplices, em que, sobretudo e definitivamente, as figuras maiores vão repartindo culpas, sem lugar para inocentes. Outra fosse a circunstância de A Filha e, sem sobressaltos, poderíamos recorrer a uma frase que parece vir do fundo dos tempos: daqui ninguém sai vivo. Pelo que se deixa apenas um aviso aos incautos, aos que se deixem atrair pelo ar angelical da menina que enche a capa - aqui, tudo, mas mesmo tudo, é de uma violência que indispõe e que nos deixa a pensar muito tempo depois de concluída a leitura. Mas não é essa uma das funções da literatura? Este livro é o oposto da escrita light - até porque não há luz, nem ao fundo do túnel.

A Filha
Anna Giurickovic Dato
Dom Quixote
PVP: 12,51 euros

Reservado o direito de admissão a livros que não ultrapassem as 200 páginas.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.