A complexidade das desigualdades sociais

Li num daqueles jornais gratuitos que se distribuem pela cidade que Lisboa é a urbe mais cara para estudar, não apenas pelo custo do alojamento. Não me surpreendeu a informação. Ainda assim, tomando como dado adquirido o elevado custo de vida na capital, é cada vez mais aliciante estudar em Portugal pelo crescente interesse que as universidades portuguesas têm vindo a despertar junto de estudantes estrangeiros (europeus, asiáticos, americanos e africanos). Acredito que há lugar para todos os gostos.

Por razões várias, entre elas a excelência, aumenta a procura por parte da comunidade académica. Prova disso é a pertinência com que avança o novo projeto da Nova SBE (School of Business & Economics), em Cascais, nos arredores de Lisboa. O futuro campus de Carcavelos, a ser inaugurado em setembro deste ano, pretende atrair estudantes de várias origens, sobretudo europeus, e competir com as melhores universidades norte--americanas.

Há aqui um substancial "esforço de internacionalização", referido várias vezes por Daniel Traça, dean da Nova SBE. Inclusive, como sustentou o professor Pedro Santa Clara numa recente press preview para apresentação à imprensa do rol de acontecimentos a ter lugar em Cascais nos próximos meses, o desafio é fazer deste projeto "um daqueles casos de orgulho nacional".

O novo polo universitário, um investimento de 50 milhões de euros plantado em frente à atrativa praia de Carcavelos, nasce com capacidade para acolher 3200 alunos em licenciaturas, mestrados, doutoramentos e formação de executivos de topo. São alunos oriundos de Espanha, França, Alemanha e Itália, mas também da China, do Brasil ou de outras paragens. Embora África não apareça explicitamente referenciada na estratégia, é, na minha perspetiva, um desafio de se louvar pela ambição que os mentores e parceiros sempre depositaram nele como polo atrativo de projeção de uma nova imagem de ensino de qualidade gerador de competências.

Naquele dia, sobretudo como cidadão, fiquei impressionado com a dinâmica cultural e intelectual que se está a dar ao concelho, que em muito fica a ganhar com a grandeza deste projeto moderno. Mas, no ano em que Cascais assume a capital do Euro-Afro, o Fórum acolhe a assembleia geral da UCCLA - União das Cidades Capitais Luso-Afro-Americana - e recebe o XV Congresso das Cidades Educadoras - para sublinhar a importância do investimento na educação e no conhecimento - ocorreram-me os dados do último relatório sobre as "Desigualdades Sociais em Portugal", apresentado no ISCTE- IUL (Instituto Universitário de Lisboa).

Aquilo que terá sido o resultado do referido estudo não constitui em si novidade. Dizia uma minha amiga, docente e artista angolana, "esta questão já tem barbas brancas". São constatações. À conversa com uma das coordenadoras do relatório em causa, o que é de se considerar é a complexidade das desigualdades sociais, digamos mesmo o facto de estarmos a viver num país com muitas desigualdades de oportunidade também a nível da escolarização, tal referiu uma das intervenientes.

Sentado naquele auditório no ISCTE-IUL, fui tomando notas. Sobre as alusões e considerações a respeito das causas do insucesso e abandono escolar, que afetam as famílias mais pobres e vulneráveis, as comunidades cigana, de afrodescendentes e de imigrantes. Sobre as minorias segredadas, com indicadores de baixas qualificações e atingidas por dificuldades financeiras dos pais, muitas vezes desempregados, e a sua incapacidade de acompanhar as crianças, principalmente no secundário ou no pós-secundário.

Por detrás disto tudo está o racismo institucional, que começa nas escolas. Em muitas escolas portuguesas, como reafirmava uma das coordenadoras do citado estudo com quem conversei, desiste-se dos tais alunos. Ou são encaminhados para vias alternativas como o ensino profissionalizante.

Por ser uma ferida que ainda persiste na sociedade portuguesa, apraz ouvir dizer que é preciso assumir a existência do racismo institucional. Assim como agrada saber, com um sorriso no rosto, que são necessárias mudanças estruturais das desigualdades, políticas públicas para as combater, fazendo "grandes apostas na educação", abrangendo o universitário. Quem sabe não seja esta uma das inquietações a ser considerada no evento de Cascais?

E, neste país de brandos costumes, fará sentido ou não incrementar políticas de cotas para o acesso ao ensino superior, a exemplo do que fez o Brasil, que favoreçam a integração plena das minorias, nomeadamente da comunidade de afrodescendentes?

O debate sobre estas matérias, assim como sobre a necessidade de se pôr em prática medidas de ação afirmativa, está em cima da mesa e deve ser aprofundado em busca de consensos e de concretização.

Uma coisa é certa, a mudança impõe-se. Seria, certamente, um motivo de orgulho nacional.

*Correspondente em Lisboa da Rádio DWÁfrica- Alemanha

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.