5 recomendações para uma alimentação mais saudável e sustentável

Ao consultarmos o dicionário da língua portuguesa verificamos que o termo "sustentabilidade" significa característica ou qualidade do que é sustentável, sendo "sustentável" o que se pode sustentar, defender ou seguir ou realizado de forma a não esgotar os recursos naturais nem causar danos ambientais. Pois se juntarmos este conceito à alimentação, surge o desafio de pensar a alimentação de forma sustentável, ou seja, que permita responder às necessidades do presente, sem que isso comprometa o que estiver disponível para as gerações futuras.

Em 2016, a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) apresentou cinco eixos a trabalhar no âmbito da sustentabilidade alimentar e agricultura: 1.º Melhorar a eficiência na utilização dos recursos; 2.º Ter uma ação direta para conservar, proteger e melhorar os recursos naturais; 3.º Proteger os meios rurais de subsistência e melhorar a equidade e o bem-estar social; 4.º Melhorar a resiliência das pessoas, comunidades e ecossistemas, especialmente as alterações climáticas e a volatilidade dos mercados; e 5.º Promover a boa governação para uma melhor sustentabilidade dos sistemas naturais e humanos.

Com inspiração nestes eixos a Associação Portuguesa dos Nutricionistas sugere 5 medidas para uma alimentação mais saudável e sustentável dos portugueses:

1º Sempre que possível compre a produtores locais

2º Prefira alimentos frescos, locais e da época

3º Tenha uma Alimentação Mediterrânica

4º Repense, Reduza, Reutilize e Recicle

5º Ajude a promover a Alimentação Saudável - Envolva-se

O Nutricionista, bem como os restantes profissionais da área da alimentação e da nutrição, assumem um papel preponderante na reflexão, discussão e decisão no que respeita a estes assuntos, com impacto direto na sustentabilidade alimentar.

Neste contexto, a Associação Portuguesa dos Nutricionistas prevê lançar em maio um programa de sensibilização e informação sobre sustentabilidade alimentar, de forma a consciencializar profissionais de saúde e população em geral para a importância de se colocar este conceito na ordem do dia das suas escolhas.

Em breve mais informações no site da APN

Presidente da Direção da Associação Portuguesa dos Nutricionistas

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.