"Fake news" e mentiras à portuguesa

As fake news não foram inventadas pelas rede sociais, nem pelos serviços de propaganda russos ou presidentes norte-americanos. Cada povo tem a sua tradição de falsas notícias. Famosa, porque tão reveladora, a história de fake news de Marcelo Rebelo de Sousa, que, para colocar notícias falsas na imprensa, terá enganado Paulo Portas - afirma este - com um jantar e conversas confidenciais inventadas.

Para tornar a "notícia" mais verosímil, Portas diz que Rebelo de Sousa terá ido ao ponto de inventar que fora servida vichyssoise, uma sopa fria de alho francês. Vingança fria, Paulo Portas acusa Rebelo de Sousa, até aí sua fonte, de mentir para criar "notícias falsas". Invulgar nesta história é sobretudo ter sido tornada pública e alguém tentar instrumentalizar uma fake news, verdadeira ou inventada.

Rebelo de Sousa e Portas foram, em momentos diferentes, ambos diretores dos jornais mais influentes do país. Ambos se tornaram políticos de primeira linha. No jornalismo como na política as notícias e os factos são por natureza muito relativos.

No futebol, por exemplo, a verdade é igualmente relativa. Basta ouvir as versões de adeptos depois de um jogo. A verdade de um é a mentira do outro. Mas o futebol é circo. As grandes ambições jogam-se no palco político e nos negócios empresariais e financeiros.

Fake news têm vários graus de falsidade. A primeira fake news que li na imprensa, quando comecei a trabalhar como jornalista, foi de António Guterres, que, quando eleito primeiro-ministro há duas décadas, anunciou o fim dos "recibos verdes". Hoje, dar a notícia de que o desemprego diminuiu como um sucesso, quando meio milhão de portugueses tiveram de emigrar e as empresas estão a abater empregos de 1500 euros para contratar a 500 euros, é mais facto ou mais fake news à portuguesa?

Depois de uma era de jornalistas e diretores de jornais cheios de ambições políticas, os Portas ou Rebelos de Sousa, em Portugal as administrações começaram a promover os jornalistas de pequenas ambições, mais de natureza económica. Como acontece no resto da sociedade, também na imprensa a componente política teve de se subordinar aos interesses financeiros. Os diretores deixaram de ser personagens políticas e começaram, em muitos casos, a ser "funcionários de carreira jornalística" à espera de chegar a um cargo num grupo empresarial ou numa fundação e que, pelo caminho, vão colocando as fake news necessárias.

Ao longo de mais de 20 anos, antes de ir para a Alemanha como redator de uma revista em Frankfurt e colunista de um jornal diário de Berlim, trabalhei em Portugal para o Expresso e o Independente, para o Correio da Manhã e para quase todos os jornais e revistas da imprensa económica. A principal diferença entre os dois países é o grau de autonomia das redações face à administração e, logo, a forma como se lida com as fake news.

Em Portugal, no - à época - principal jornal económico do país, assisti a um diretor que entrava pela redação e mandava os jornalistas a recibo verde fugir pelas escadas de incêndio, porque estava a entrar no edifício uma inspeção de trabalho. O mesmo diretor, que mais tarde foi trabalhar para a PT, sempre que uma pequena revista do mesmo grupo escrevia um artigo crítico sobre a PT aparecia, esbaforido, a dizer que assim não dava, que íamos ter problemas. E os problemas vieram: a pequena mas rentável revista foi fechada e todos os jornalistas despedidos. Ricardo Espírito Santo Salgado queixara-se à administração por a revista retratar os banqueiros "como se fôssemos vigaristas". E que, se a revista continuasse, tirava a publicidade aos outros jornais do grupo. O jornalismo crítico vende pouco em Portugal.

Ao contrário das redes sociais, os jornais têm de gerir hoje com muito mais cuidado do que até agora a sua credibilidade. Caso contrário, perdem os últimos leitores. A divulgação em massa de fake news no Twitter e no Facebook é a última grande oportunidade para a imprensa tradicional.

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.