Energia nuclear - 'nim'

Portugal não pode ter medo de discutir assuntos basilares para o seu desenvolvimento, como é o caso do vector energético. Um país desenvolvido não pode ignorar questões fundamentais para a sociedade.

O peso que a factura energética tem na balança comercial das importações e a relevância que tem na produtividade do País faz da política energética nacional um assunto premente cuja discussão não só deve como tem de ser fomentada.

No caso concreto da electricidade, a mesma tem um papel cada vez mais preponderante na vida diária dos cidadãos e das empresas, veja-se o acordo entre o Estado Português e a Renault-Nissan para a implementação dos automóveis eléctricos a partir de 2011 e o crescente número de equipamentos transversais a todos os sectores que são alimentados por este tipo de energia.

Neste sentido, a fonte de energia eléctrica é um assunto que importa, não só em termos de consumo imediato mas também no que diz respeito à segurança do abastecimento. Assim, é imperativo abordarmos a questão das fontes renováveis, com uma visibilidade cada vez maior no cenário nacional, não podendo, no entanto, ser esquecida a sua intermitência, a insuficiência nas necessidades do consumo e o custo social acrescido em virtude do regime especial da tarifa paga ao produtor, somando-se tal facto ao défice tarifário (diferença entre o custo de produção e a venda da electricidade ao consumidor, em que o custo da produção é mais elevado).

Importa, assim, não ter receio de abordar o tema nuclear, esclarecendo o consumidor e o produtor das suas vantagens e desvantagens, levando-o a decidir em consciência entre uma fonte de energia barata, mas com riscos controlados (a incerteza é de facto o grau de controlo do risco, o que tem de ser detalhadamente explicado), ou uma opção diferente com custos socais e também ambientais associados. O melhor seria a optimização das duas opções e a sua conjugação em benefício do País.

Um plano energético de um país não é algo que se discuta em meia dúzia de meses e se planeie e execute num par de anos. Um plano energético nacional tem de ser uma estratégia de permanente discussão, mas com soluções fixas a longo prazo.

A título de exemplo, como acontece com o Plano Rodoviário Nacional, constroem-se, hoje, vias que estão planeadas há 20 anos, e não é de agora a polémica da 3.ª travessia do Tejo em Lisboa.

Assim, parece que omitir da discussão ou adiar sine die a questão do nuclear não é de todo uma boa solução - já é tempo de enfrentarmos as nossas indecisões para bem do nosso futuro.

A incerteza da opção energia nuclear traduz-se num "nim", e cansados de "nins" estão os portugueses. Precisamos de decisões, de escolhas claras e bem feitas, de execução e de colocar uns bons pesos no prato das exportações, retirando ainda os pesos excessivos do prato das importações, o que a nossa balança comercial, as nossas finanças públicas e as nossas carteiras agradecem.

Portugal não tem produção de energia nuclear no seu território, mas a vizinha Espanha encostou uma das suas centrais nucleares a Portugal. Já provámos que radicalismos e fundamentalismos de ideias não nos conduzem ao sucesso. Discutamos, apreciemos o assunto da política energética nacional com responsabilidade e maturidade, não colocando de parte nenhuma fonte de energia. Chamem-se os técnicos, os especialistas, os verdadeiros conhecedores das diversas fontes de energia, ponderem-se todos os custos, benefícios, riscos, vantagens, desvantagens, decidindo-se posteriormente pelo que for mais vantajoso para Portugal.

Só assim se fará uma análise, uma discussão séria, sobre uma matéria de tão elevada importância, para a produtividade, progresso e desenvolvimento de Portugal.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...